Crítica: Até O Último Homem

O filme que levou Mel Gibson de volta a Hollywood

hacksaw-ridge

Não é segredo para ninguém que Hollywood adora uma boa história de superação. No caso de Até O Último Homem, ela se apresenta dentro e fora da tela. Primeiro, porque marca a volta de Mel Gibson no cinema norte-americano, após um afastamento de 11 anos em decorrência da série de polêmicas em que se envolveu no país. Segundo, pelo enaltecimento da figura do herói da guerra que o longa traz e que as grandes premiações adoram (não é à toa que, no início desta semana, o filme recebeu seis indicações ao Oscar).

A trama fala de Desmond Doss (Andrew Garfield), um médico com fortes convicções religiosas que decide entrar para o exército americano, durante a Segunda Guerra Mundial, com o objetivo de ajudar a salvar vidas. No entanto, ele vive um grande conflito moral durante a batalha por ser Opositor Consciente, se recusando a portar armas e atirar nos soldados inimigos, o que é visto como covardia pelos companheiros.

Até certo ponto, a produção segue à risca a clássica receita hollywoodiana de filmes de guerra: o bom moço que se alista para defender os ideais da pátria, o nacionalismo exacerbado, a bandeira dos Estados Unidos tremulando com uma potente trilha sonora ao fundo, a visão unilateral e reduzida do inimigo (como máquinas de matar) e o bom e velho romance entre soldado e enfermeira.

Não que isso seja necessariamente ruim. Para um filme que carrega tantos clichês, Até O Último Homem funciona surpreendentemente bem, fruto do eficiente trabalho de Gibson por trás das câmeras e das ótimas atuações do elenco. Mesmo sem trazer grandes surpresas, a produção cumpre bem o que se propõe a fazer.

Neste ponto, é necessário falar sobre o roteiro do filme, que fez um trabalho decente em dosar o aspecto religioso na trama (caso fosse exagerado, poderia destruir completamente sua mensagem). E talvez este seja o maior mérito do longa. A fé do personagem de Garfield é mostrada de forma tão pura que até os mais céticos se mostram respeitosos, algo que fica muito evidente na relação de Desmond Doss com os outros soldados, por exemplo. Aqui, é válido destacar a ótima atuação de Andrew Garfield, que retrata Doss como um homem doce, determinado e extremamente carismático.

Por fim, a produção também se destaca nos seus aspectos técnicos, com destaque para as imagens fortes e detalhadas dos confrontos. Gibson, ao lado do diretor de fotografia Simon Duggan e do montador John Gilbert deixa claro que não quer maquiar os horrores da guerra, uma decisão um tanto paradoxal diante da crença do protagonista.

Avaliação
Título Original: Hacksaw Ridge

País: EUA, Austrália

Classificação: 16 Anos

Lançamento: 26 de Janeiro 2017

Dirigido por: Mel Gibson

Roteiro de: Robert Schenkkan e Andrew Knight

Elenco: Andrew Garfield, Teresa Palmer, Hugo Weaving

Produção: Cross Creek Pictures

Distribuição no Brasil: Diamond Films
Sarah Lyra
Jornalista, viciada em séries, apaixonada por cinema. Acompanha anualmente as principais premiações e adora cinema indie, principalmente o latino americano.
  • Luan Bião

    Que bela crítica! Vi o trailer do filme e fiquei curioso sobre a proposta, vejo que pelo menos ela foi atingida. Ainda bem que eles dosaram a religião, mesmo assim, não gostei dessa motivação do herói rsrs