Dica de Livro: Trilogia da Tormenta

livros[1]

Faaaaala nerd,blza ?! Vos trago hoje uma dica (ou seriam 3?) de uma maravilhosa, épica e sangrenta história, estou falando da trilogia da Tormenta… Se você nos tempos aureos da sua vida nerd já jogou RPG, com certeza conhece o cenário Brasileiro mais fomoso, que é a Tormenta tendo seus primeiros contos divulgados ainda na extinta revista Dragão Brasil, tendo como criadores os excelentes: Marcelo Cassaro, Rogério Saladino, J.M. Trevisan, Guilherme Del Svaldi, Gustavo Brauner, Leonel Caldela.

O Primeiro livro intitulado de “O Inimigo do Mundo” acompanha a jornada de nove heróis na caçada ao misterioso assassino conhecido apenas como “o albino”, pelo mundo medieval de Arton. Mas a perseguição é mais do que aparenta, pois os aventureiros sentem as mãos divinas puxando as cordas ao seu redor — para eles, a missão será uma viagem ao inferno.

Trazendo todos os elementos de fantasia medieval o autor nos envolve com toda as descrições possíveis do cenário, desde as conversas dos deuses do Panteão (que são todas muito bem escritas) até as lutas que são muito bem descritas no livro, detalhes minuciosos da batalha e planos estratégicos pensados pelos heróis, o primeiro livro em si é um arco fechado, porém o segundo e terceiro complementam de forma mais brutal os acontecimentos que foram acarretados no primeiro livro.

Após o primeiro livro temos a introdução de novos (e antigos) personagens que estarão inteiramente ligados entre si, se você gosta de leitura de fantasia medieval com certeza esse seria uma boa pedida

os 3 livros estão intitulados de :

O Inimigo do Mundo

O Crânio e o Corvo

O Terceiro Deus

Você pode encontrar a trilogia inteira clicando aqui

Mas Felipe, eu não conheço a história do mundo de Arton.. não se preocupe jovem vou adicionar aqui tudo o que precisa saber sobre o mundo de Tormenta

O panteão e a criação do mundo. 
O panteão de Arton inicialmente era composto por 20 deuses:


1072944[1]Alihanna, Deusa da Natureza.
Khalmyr, Deus da Justiça.
Grande Oceano, Deus dos Mares.
Glórienn, Deusa dos Elfos.
Lena, Deusa da Vida.
Keenn, Deus da Guerra.

Nimb, Deus do Caos, Sorte e Azar.
Megalokk, Deus dos Monstros.
Tenebra, Deusa das Trevas.
Valkaria, Deusa da Humanidade.
Lin-Wu, O Deus-Dragão dos Tamurianos.
Tanna-Toh, Deusa do Conhecimento.
Sszaass, Deus da Traição e das Serpentes.
Marah, Deusa da Paz.
Thyatis, Deus da Profecia e Resureição.
Winnna, Deusa da Magia.
Tauron, Deus da Força.
Azgher, Deus do Sol.
Kallyandranoch, Deus dos Dragões.
Tillian, Deus dos Gnomos.

Nasceram em junção entre o nada e vazio, trabalhavam juntos apesar de seu orgulho e assim surgiram os elementos fogo,água,terra,ar,luz e trevas, os conceitos de justiça e honra, caos e paz , vida e morte. Logo foram criadas várias criaturas e raças, assim surgindo Deuses menores de relações entre os deuses.

 

A Traição. 
Valkaria enganada por Tillian, arquitetou um plano para tomar controle de todo o panteão para ela e seus parceiros no total eram 3.( o Terceiro é o deus esquecido, logo abaixo o relato do porquê é o deus esquecido. )
O plano infelizmente foi descoberto antes de ser posto em prática e os outros 17 deuses decidiram uma punição para cada um dos deuses.
Valkaria foi condenada a perder sua liberdade, sendo aprisionada em uma estátua gigante.
Tillian foi condenado a prisão de um corpo mortal e hoje vive como um mendigo louco em Deheon.
O terceiro foi condenado ao esquecimento e enterrado em algum lugar de Arton.

Por que o esquecido ?Quando Valkaria foi manipulada por Tillian de que poderiam dominar sozinhos todo o Panteão de Arton eles arquitetaram um plano para dominar o Panteão, logo perceberam que não poderiam derrotar os mais fortes sozinhos, porém havia um deus que era capaz de vencer todos os outros, o deus mais poderoso de todos este deus era Kallyandranoch o deus do poder e dos dragões, ele era orgulhoso e tinha cede pelo poder, talvez ele se aliaria a eles, então Tillan e Valkaria lhe propuseram ajuda-los em troca de um parte no poder, os 3 dividiriam o poder de todo Panteão sozinhos.

Porem foram pegos antes que o plano fosse colocado em prática e os outros 18 deuses resolveram puni-los.
Valkaria foi condenada a perder sua liberdade e assim foi feito, a transformaram em uma estátua gigante.
Tillian, foi condenado a vagar por Arton como um mendigo louco.
E a Kallyandranoch a pior das punições, ele foi condenado ao esquecimento e assim foi feito, porém suas ultimas palavras foram ”Enquanto um de meus filhos viver eu não serei esquecido”

Breve conto sobre o esquecimento do terceiro deus

O silêncio ecoava pelos vastos corredores do tribunal de Khalmyr.

Em Ordine, O Reino do Deus da Justiça, nada se movia. Ninguém caminhava pelos largos caminhos de suas perfeitas planícies. Nenhum pássaro voava entre as uniformes nuvens que cruzavam o límpido azul do céu. O salão, normalmente ocupados pelas almas de artonianos mortos – esperando serem recompensados ou punidos pelo o que fizeram em vida –, não abrigava ninguém. Tudo porque ele assim o desejava. Tudo porque assim era preciso.
Na câmara principal, dezoito lugares encontravam-se vazios na enorme mesa colocada no meio da sala. Na mesa, um vasto mapa representava Arton, seus habitantes seguindo suas vidas como diminutas formigas, sem saber que eram observados.
Apenas dois lugares permaneciam ocupados. As únicas evidências de que mais alguém havia estado presente eram os cálices vazio, símbolos do pacto e da concordância com o que havia sido decidido. E que aconteceria em breve.
Khalmyr observava fixamente seu companheiro. Podia ver coisas que os mortais nem sabem existir, mas mesmo assim não percebia qualquer sinal de medo ou hesitação. Muito pelo contrário.
Os olhos púrpuras brilhavam e pareciam sorrir. As mãos, repletas de anéis intricados dos mais variados metais, brincavam com um dos cálices. O longo cabelo trançado mesclava as cores azul, branca, anil, negra, verde e vermelha. As jóias que cobriam seu peito nu e a longa capa que adornava as largas costas mostravam orgulho, empáfia, nunca arrependimento ou remorso.
Outros dois haviam passado pela a cerimônia com pesar e dor. O terceiro, por outro lado, parecia chegar de uma festa onde havia sido o convidado principal. Parecia tudo, menos o que realmente era.
Um deus condenado.
Khalmyr apoiou as mãos sobre a mesa e levantou-se, por fim. Não por impaciência, mas porque tinha que ser assim.
– Sabe o que tenho que fazer, não ?
O outro pareceu não ouvir. Estava aparentemente entretido demais, divertindo-se com o objeto que tinha nas mãos. Somente instantes depois, dirigiu um olhar distante ao Deus da Justiça. Parecia absorto em pensamentos muito mais importantes.
– Por que os outros foram embora, Khalmyr ? Por que não ficaram para ver o fim do espetáculo ? – sua voz era doce, clara como o vento passando entre estalactites de uma caverna de cristal.
– Nenhum deles precisava ficar.
– Sim… sei bem disso – respondeu o outro, levantando-se devagar. – Mas ninguém abriu mão de seu precioso voto quando Tilliann foi jogado entre os bárbaros naquela carcaça demente e inútil. Ninguém deixou de opinar quando a bela e inocente Valkaria foi transformada em estátua, esperando de joelhos por heróis improváveis. Todos falaram. Alguns acusaram, alguns pediram clemência. Mas todos julgaram. Até mesmo Marah e Lena.
Ergue as sombrancelhas.
– Porque é diferente comigo ?
– Você nunca foi o mais querido. Nem o menos temido.
Lá fora, grossas gotas de chuva começaram a cair de repente. O sol, que há pouco brilhava imponente, escondeu-se com pressa atrás das nuvens negras recém-formadas.
O outro gargalhou. Por instantes, o palácio pareceu tremer.
– É verdade meu nobre Khalmyr – retrucou, dando a volta na mesa. O cálice dançando entre seus dedos, passando de uma mão para outra como um brinquedo nas mãos de uma criança, os anéis tilintando na superfície cristalina. – Mas mesmo assim faço parte da família, não faço ?
– Você escolheu seu próprio destino. Nossas leis são claras. Aceitar seu destino com honra é a única coisa que lhe resta.
– Khalmyr, meu caro ! Não me venha falar em leis ou honra ! Eu estava lá quando as duas foram criadas, lembra-se ? Eu e você !
Khalmyr baixou a cabeça, resignado. Talvez tivesse deixado fugir um suspiro impaciente. Mas não era capaz de entender tal sentimento. Nem era capaz de deixar fugir coisa alguma.
O outro caminhou até a parede mais próxima. Ali, uma enorme tapeçaria retratava a união entre o Nada e o Vazio. O nascimento dos deuses.
– Ainda me lembro como era no início. No outro lugar. Você se lembra ?
– Às vezes.
– Fui um dos primeiros a ser criado e um dos primeiros a criar. Jamais vou me esquecer. A sensação de poder… a energia fluindo enquanto moldava a vida na forma mais perfeita que a existência já conheceu. Você nunca experimentou isso. Por isso não entender. Os outros talvez não se lembrem, ou tentem esquecer. Mas eu lembro. Lembro muito bem…
Khalmyr bem sabia, aquela simples lembrança era uma ameaça a ser eliminada.
Aos poucos aproximou-se da mesa novamente. Num movimento rápido, imperceptível para olhos mortais, devolveu o cálice à mesa. Desta vez invertido, com a boca para baixo.
– Sabe me dizer o que é isto, Khalmyr ?
– Um cálice.
– Tem certeza ? – um sorriso zombeteiro dançando nos lábios. – Um objeto é apenas o seu nome ? Ou seria sua função, seu destino ? Se tentássemos preenchê-lo com vinho, assim como está, não teríamos sucesso. Mas mesmo assim…
– Mesmo assim o cálice ainda é um cálice.
– Exato – disse, como um sábio que aprova a resposta de um ignorante. – As leis. As regras. A honra. São como o cálice, Khalmyr. Há sempre um modo de torcê-las, virá-las de cabeça para baixo. E mesmo sem servir mais a seu propósito original, continuam sendo o que eram, continuam a reger a quem regiam. Leis. Regras. Honra.
– Onde espera chegar com isso ?
– Oh, a lugar algum – afastou-se novamente. – Acho até que já tomei demais o seu tempo.
– Errado – respondeu Khalmyr, aproximando-se de seu companheiro. Passos firmes ecoando pela sala, a mão direita sobre o cabo da espada. – Não se pode tomar tempo de um deus.
– Tem certeza ? – retrucou o outro. Enquanto falava, ajoelhou-se e despiu-se. Primeiro o manto. Depois, as jóias. – Pergunte a Valkaria, daqui a um milênio ou dois.
Khalmyr desembainhou Rhumnam, sua espada sagrada, a lâmina reluzente refletindo a luz dos globos espalhados pela sala. Ergueu-a acima da cabeça do outro deus.
– Você contrariou as leias do Panteão. Contribuiu com Valkaria e Tilliann, na criação do povo que não deveria haver. Distorceu nossas normas para tramar minha queda e a de meus aliados. Deflagrou uma guerra. E por pouco não destruiu todos nós.
O outro continuou sorrindo.
– Por seus crimes além do perdão, Kallyadranoch, eu o condeno ao esquecimento.
O silêncio imperou por alguns instantes, até ser cortado pela gargalhada afiada do deus ajoelhado.
– Ah, mas alguém irá se lembrar. É a lei. Tilliann sempre saberá quem foi. As crias de Valkaria um dia irão se esconder sob sua sombra, feito passarinhos sob as asas da mãe. E quanto a mim ? Quem irá se lembrar de Kallyadranoch ?
O Deus da Justiça permaneceu impassível. A espada firme em suas mãos.
O outro levantou a cabeça em desafio. Os olhos brilharam. Seu semblante parecia ameaçador. Mais fera do que homem.
– Sempre seis de meus filhos irão se lembrar, e carregarão meu legado. E enquanto ao menos um deles viver, eu viverei. Nem você, nem qualquer dos demais podem mudar isso. É a lei. Jamais se esqueça, Khalmyr.
Mas dois trovões ecoaram, quase em uníssono. Duas gazelas passaram correndo em frente ao palácio e procuraram abrigo embaixo das formas perfeitas de duas árvores no simétrico jardim frontal.
– Eu já disse tudo. Acabe logo com isso. Cerimônias sempre me deixam entediado.
Rhumnam girou acima da cabeça de Khalmyr, riscando um círculo de luz brilhante. A lâmina cortou a realidade com um silvo agudo e ensurdecedor.
– Adeus, Deus dos Dragões.
Kallyadranoch sorriu mais uma vez.
– Até logo, Deus da Justiça.
A espada desceu repentina. A lâmina enterrou-se no peito do deus condenado, o urro de mil dragões foi ouvido em toda Ordine. Kallyadranoch desapareceu como se jamais houvesse existido.
E jamais havia existido.
Khalmyr embainhou calmamente a espada. Tudo estava certo novamente. Tudo estava em ordem.
Aos poucos, pôde ouvir o leve sussurro das almas voltando a preencher o salão, aguardando seu julgamento justo. Lá fora, a chuva parou de modo tão brusco quanto havia começado.
Khalmyr caminhou em direção da saída. Parou por alguns instantes, seguiu até a mesa, e só então saiu para retomar seus eternos afazeres.
Na câmara principal, agora vazia, silenciosa e estéril, tudo permanecia como se nada tivesse acontecido. E nada acontecera.
Todos os cálices tinham a boca voltada para cima.

Com isso o panteão ficou incompleto e deuses menores assumiram o poder se tornando deuses maiores agora. Eles foram:
O trapaceiro Hyninn filho de Nimb e Ragnar o agora deus da trapaça e dos goblinóides.

Arton
Foi formado quando o nada e o vazio se encontraram criando assim os deuses a 7 bilhões de anos atrás.
Azgher deus do sol e Tenebra da escuridão lutaram entre si para decidir oque governaria, porém a luta terminou em empate e lhes foram concedidos 12 horas de dia e 12 horas de noite.
Uma lagrima de Lena a deusa da cura enche os oceanos de vida que foram moldadas pelo Grande Oceano em várias criaturas.
E assim todos os deuses foram criando vida:

  • Valkaria e sua ambição, cria a raça humana, com o intuito de superar os próprios deuses.
  • Hyninn, também ainda um deus menor naquela época, cria os primeiros halflings.
  • Ragnar, ainda na época um deus menor, cria os primeiros goblinóides.
  • Os deuses Khalmyr e Tenebra se apaixonam, de sua união nascem os primeiros anões.
  • Wynna cria o povo fada, que ocupou a Pondmânia.
  • Megalokk, deus dos monstros, criou vários monstros que começaram a habitar Arton.

Geografia de Arton. 

Deheon o reino capital.

Planície entrecortada por colinas, florestas, lagos e rios.
Clima:Temperado a oeste, subtropical no centro e leste.
Cidades com destaque: Valkaria, Selentine, Gorendill, Pequena colina, Bek’Ground, Villent, Ridembarr.
Suas divindades: Valkaria, Khalmyr e Tanna-Toh
Regente: Imperador-rei Thormy.

Tyrondir, o reino da fronteira.
Planície entrecortada por colinas, florestas, lagos e rios.
Clima: Subtropical ao norte, temperado ao sul.
Cidades com destaque: Cosamhir, Khalifor, Molok, Vila Questor.
Suas divindades: Khalmyr e Thyatys.
Regente: Balek III

 

 
Pondsmânia, o reino das fadas
Região densamente florestal na floresta de Greenaria.
Clima: Subtropical .
Cidades de destaque: Linnanthas-Shaed, Palácio-cidade de Hayall.
Divindades: Wynna, Alihanna, Lena.
Regente: Rainha Thanthalla-Dhaedelin.
Khubar, o reino arquipélago
Arquipélago vulcânico próximo a costa sul de Arton.
Clima: Tropical
Cidades com destaque: Havanah, Vila Alkeran, Cidadela do Mal.
Divindades: Grande Oceano, Alihanna, Megalokk, Lena, Nimb.
Regente: Khulai-Hûk.
 Portsmouth, o reino da magia pribida
 Floresta entrecortada por planicies e colinas.
Clima: temperado
Cidades com destaque: Milithiann, Cambur e Ith
Divindades: Keenn, Tanna-Toh
Regente: Conde Ferren Asloth.
Namalkah, o reino dos cavalos
Planícies, campos e pradarias entrecortadas por colinas e florestas.
Clima: Subtropical
Cidades com destaque:   Palthar, Yron, Suth-Eleghar.
Divindades: Hippion, Khalmyr e Alihanna.
Regente: Borandir Silloherom.
Lomatubar, o reino da praga
Floresta entrecortada por planícies e colinas.
Clima:  Frio ao norte, temperado ao sul.
Cidades com destaque: Barud, Ralandar, Sordh.
Divindades: Khalmyr, Lena, Allihanna, Marah.
Regente: Khltak Sedmoor.
Zakharov, o reino das armas
Planície entrecortada por colinas, florestas, rios e lagos.
Clima: Temperado ao norte e subtropical no sudeste e no centro.
Cidades em destaque: Zakharin, Yuvalinn, Trokhard.
Divindades: Keen, Khalmyr, Rhond.
Regente: Walfengarr Roggandin.
Nome: Petrynia, o reino das histórias fantásticas
Florestas entrecortadas por planícies e colinas
Clima: Frio ao norte temperado ao sul.
Cidades em destaque: Altrim, Malpetrim, Trandia, Curanmir, Aldeia dos centauros.
Divindades: Khalmyr, Wynna e Tibar.
Regente: Godin Idelphatt.
Fortuna, o reino da boa sorte
Floresta entrecortada por planícies e colinas.
Clima: Frio ao norte, temperado ao sul.
Cidades em destaque: Nimbarann, Luvian.
Divindade: Nimb, Khalmyr.
Regente: Hosur Allim.
Nome: Hershey, o reino da guloseima
Planície entrecortada por florestas e colinas.
Clima: Temperado.
Cidades em destaque: Hockly, Swonn, Ashvenn.
Divindades: Khalmyr, Allihanna, Lena
Regente: Jedmah Roddenphord.
Montanhas Uivantes, o reino gelado
Terreno montanhoso com vales e lagos.
Clima: Glacial.
Não tem cidades em destaque.
Divindades: Beluhga (Rainha dos dragões brancos), Allihanna, Lena.
Regente: Beluhga, (rainha dos dragões brancos.)
Sckharshantallas, o reino do dragão
Campos e savanas entrecortados por florestas e colinas. Ligeira atividade vulcânica no norte.
Clima: Tropical.
Cidades em destaque: Ghallidtryx, Khershangallas, Thenarallann, Durtras.
Divindades: Megalokk, Keen, Khalmyr, Sckhar (Rei dos dragões vermelhor).
Regente: Sckhar (rei dos dragões vermelhos).
Yuden, Maior exército de Arton
Planicies e pradarias entrecortadas por colinas e florestas.
Clima: Temperado.
Cidades em destaque: Kannilar, Gallienn, Warton, Drekelllar, Gravanir.
Divindades: Keen, Khalmyr, Tanna-Toh.
Regente: Principe MitkovYudennach III
Tollon, o reino da madeira
Totalmente florestal.
Clima: Subtropical.
Cidades em destaque: Vallahim. Trodarr, Follen.
Divindades: Khalmyr, Allihanna, Lena.
Regente: Solast Arantur.
Trebuck, o reino da tormenta
Campos e savanas entrecortados por florestas e colinas.
Clima: Tropical
Cidades em destaque: Crovandir, Forte Amarid, Prodd.
Divindades: Khalmyr, Keen.
Regente: Lady Shivara Sharpblade.
Salistick, o reino sem deuses
Floresta cercada por colinas.
Clima: Temperado.
Cidades em destaque: Yuton, Ergonia, Qualist.
Não possuem divindades.
Regente: Prodinn Aghmen.
Wynlla, o reino da magia.
Planícies e colinas.
Clima: Subtropical no centro e ao norte, tropical ao sul.
Cidades em destaque: Sophand, Kresta, Goridrian.
Divindades: Wynna, Tanna-Toh, Khalmyr, Tenebra.
Divindades: Wynna. e Talude.
União Púrpura, os reinos menores.
Florestas entrecortadas por colinas e platôs.
Clima: Temperado.
Cidades em destaque: Grael, Galleann, Ghord.
Cidades em destaque: Allihanna, Khalmyr, Nimb.
Regente: Guryann Sayeloth.
Collen, o reino dos olhos exóticos.
Totalmente florestal.
Clima: Subtropical.
Cidades em destaque: Hreen, Kriegerr
Divindades: Allihanna, Grande Oceano, Khalmyr, Tanna-Toh, Marah.
Regente: Lord Godfrey Hogarth.
Tapista, o reino dos minotauros.
Planicie cortada pelo Rio dos Deuses, desértica ao norte montanhosa ao sul.
Clima: Tropical ao norte e sudoeste, temperado ao sul.
Cidades em destaque: Tiberius, Marma, Calacala.
Divindades: Tauron (Divina Serpente), Khalmyr, Megalokk.
Regente: Príncipe Aurakas.
Hongari, reino dos Halflings
Península florestal, entrecortadas por colinas e planícies, ligeira atividade vulcânica a oeste.
Clima: Temperado
Cidades em destaque: Colina dos bons Halflings, Triunphus, Talinthar, Vollendann, Vila Nessie.
Divindades: Hyninn, Nimb, Thyatis, Allihanna.
Regente: Tildo Didowicz, prefeito das colinas.
Ahlen, o reino da intriga
Vales e planícies entrecortados por morros e colinas.
Clima: Subtropical
Cidades em destaque: Tharthann, Midron.
Divindades: Nimb, Hyninn, Marah, Tanna-Toh.
Regente: Thorngald Vorlat.
Bielefeld, o lar da ordem e da luz
Planície entrecortada por colinas e florestas.
Clima: Temperado, subtropical ao sul.
Cidades em destaque: Roschfallen, Portfeld, Highter.
Divindades: Khalmyr, Lena, Tanna-Toh.
Regente: Igor Janz
Nova Ghondriann, o “novo lar”
Florestas a oeste, planícies a leste e sul.
Clima: Temperado
Cidades em destaque: Yukadar, Crisandir, Norba.
Divindades: Khalmyr, Lena.
Regentes: Wyr Thorngrid.
Sambúrdia, o celeiro de Arton
Densamente florestal.
Clima: Tropical a oeste, subtropical a leste.
Cidades em destaque: Sambúrdia, Mehnat, Tallban, Collarthan.
Divindades: Allihanna, Khalmyr, Wynna.
Regente: Beldrad Isoltorn.
Callista, o reino sob ataque
Planicie entrecortada por muitos rios menores.
Clima: Subtropical a temperado.
Cidades em destaque: Fross, Ankhorandir, Tyros.
Divindades: Khalmyr, Nimb, Lena, Allihanna, Nerelim
Regente: Planthor Drako.

 

Sistema de Governo
A maior parte de Arton é geralmente comandada por um regente e um conselho com 10 membros é implementado por eles um sisma de leis, e para que sejam adicionadas nova leis algum membro do conselho faz o projeto da lei que é votada pelos demais porém só é aprovada com a decisão final do regente.

 

Felipe Erick
Co-fundador do site, conciliando as coisas entre caos e a ordem, fui ao limite de outra dimensão nos reinos do terror, porém voltei porque tenho que terminar de fazer o TCC, tenho tanta coisa pra dizer aqui... oi ?

Tags dos Artigos