Publicações

  • CríticasPhoto of Assassinos da Lua das Flores (2023)

    Assassinos da Lua das Flores (2023)

    Retratando a extinção gradual de um povo, Martin Scorsese se cerca de sensibilidade e nenhuma hipocrisia, enquanto narra eventos históricos em um drama potente, de excelentes atuações de um elenco para lá de entregue, com muita dor e resoluções agridoces. As performances de um chucro Leonardo DiCaprio, um perverso e cínico Robert De Niro e uma adorável Lily Gladstone enchem a tela de coração e aflição. Cada momento importa, as três horas e meia não pesam na sessão. Cada registro é uma mescla de brutalidade indiferente com punição de dar gosto (ainda que tardia), enquanto Scorsese vai desconstruindo uma visão de western. Interessante conhecer a história por trás do afiado roteiro de Eric Roth, que a princípio dedicaria o enredo para mostrar as origens do FBI (que ainda existem aqui, mas mais contidas e apresentadas somente no terceiro ato) e que depois foi repensado para revelar com mais sinceridade o apagamento do povo Osage. Esses ajustes ficam ainda mais evidentes na resolução (não tem spoilers aqui, mas leia por sua conta e risco), que ao invés de usar os recursos típicos de um drama baseado em fatos, com o letreiro apresentando os desfechos que não foram mostrados no filme em …

    Leia mais »
  • CríticasPhoto of Hypnotic: Ameaça Invisível (2023)

    Hypnotic: Ameaça Invisível (2023)

    Filme de Robert Rodriguez (em sua carreira super instável entre maravilhas e horrores) parece ter saído diretamente do início dos anos 2000, com uma história de ação genérica, diálogos constrangedores e resoluções que você já viu diversas vezes antes. Por isso, também, colocar Ben Affleck como protagonista, parece um acerto. O astro, junto de Will Smith, era a “cara” de produções desse tipo vinte anos atrás — e nada me remete mais do que a O Pagamento. Um homem desmemoriado, às voltas com uma mulher que sabe mais do que aparenta, tendo de resolver uma conspiração que flerta com a ficção científica e a fantasia. Nesse caso, temos uma espécie de super hipnotizadores, que vão além da pseudociência e abraçam o que Jean Gray é capaz de realizar nos X-Men. Isso, claro, rende seus bons momentos, tanto de ação, quanto de perseguição, paranoia e diversas tomadas reconhecíveis no gênero, como a fonte suspeita, o cara excêntrico da tecnologia que reside em um local inóspito, o vilão imbatível e insaciável, a criança que é a chave de tudo etc. Mas é justamente brincando com esses estereótipos, que no fim das contas o diretor tem seus acertos, com uma grande virada no …

    Leia mais »
  • CríticasPhoto of O Exorcista – O Devoto (2023)

    O Exorcista – O Devoto (2023)

    O thriller proposto na primeira metade do longa, com o desparecimento das meninas e a aflição dos pais, até que é boa para os padrões de obras policiais. O elenco, com ressalvas, consegue manter certa qualidade, principalmente na figura de Leslie Odom Jr., que carrega o filme nas costas por boa parte da rodagem. As adolescentes Lidya Jewett e Olivia O’Neill também se esforçam, mas quando estão possuídas, parecem um rascunho cafona do que Reagan foi um dia. Sendo uma espécie de continuação e ao mesmo tempo revisitação do clássico de William Friedkin, O Devoto segue seu próprio rumo, renunciando a qualquer signo que possa remeter ao original — e o que poderia ser um tributo (como a ideia de vários sistemas de crença combatendo o mal, ao invés de apenas um), se torna sua principal miséria. Da trilha sonora desperdiçada ao máximo, até o uso pífio de Ellen Burstyn no resgate de sua personagem, tudo nesse filme parece ser feito a toque de caixa, desinteressado. As cenas de exorcismo, que são marca registrada dessa “franquia de um filme só” (ou que deveria ser de um filme só, convenhamos), não impactam, apesar de um ou outro momento mais inspirado. Com …

    Leia mais »
  • SériesPhoto of One Piece – A Série – 1ª temporada (2023)

    One Piece – A Série – 1ª temporada (2023)

    Divertido e aventuresco, versão prova que a Netflix encontrou a receita certa para adaptações de animes e mangás, finalmente. Sempre comento que nunca passei da Red Line nos mangás criados por Eiichiro Oda, quando os li no começo dos anos 2000. Conheço tanto sobre One Piece, quanto manjo de Star Wars, ou seja, só na superfície, só por alto, mas o suficiente. Mesmo assim, estou décadas (literalmente) para trás dos verdadeiros fãs do mangá, ainda que algumas léguas adiante dos leigos totais. Independente dessas medições, a série da Netflix concretiza algo que até vinha se provando quase impossível: a dificuldade quase doentia de Hollywood ou do ocidente em conseguir adaptar animes sem soar absurdo como um Dragon Ball Evolution (ainda que Alita: Anjo de Combate, já fosse um ótimo passo nesse sentido); até mesmo entre os japoneses, vide que seus live-actions muitas vezes ficam no meio do caminho (ainda que Bleach e Rurouni Kenshin tenham sido bem decentes). A série de One Piece funciona em tudo o que se propõe, do texto ao visual. Com cenários deslumbrantes, filmados em localizações reais, ao invés da aplicação exagerada do fundo verde, com uso impressionante de efeitos especiais e de criaturas em CGi …

    Leia mais »
  • CríticasPhoto of Fale Comigo (2023)

    Fale Comigo (2023)

    Um grupo de amigos descobre uma mão embalsamada que lhes permite conjurar espíritos. Viciados na emoção, eles começam a ir longe demais na brincadeira, dirigida de maneira apaixonada e repleta de energia pela dupla de youtubers Michael e Danny Philippou. Com um elenco de adolescentes nada descartáveis (como é comum no gênero), o roteiro sagaz sabe explorar cada personagem e levá-los a derrocadas inevitáveis, onde a morte e o gore não são o foco, e sim a destruição psicológica e degenerativa, tal qual um vício em algum tipo de droga proibida pode ser comparado — no qual a protagonista interpretada por Sophie Wilde se destaca um nível acima. O desfecho não permiti continuações bobocas, mas o universo proposto em torno da mão embalsamada abre possibilidades de outras histórias, de retcons a sequências, que sejam fechadas e com novas vítimas. Tratando com sensibilidade (e não menos crueldade) o luto e a aceitação em seu núcleo errático de figuras em tela, a dupla de diretores embute inventividade nos desdobramentos da narrativa, enquanto sabe escalar tensão e, por que não, diversão, no filme do começo ao fim, trazendo um novo e bem-vindo fôlego ao terror adolescente, que vale a pena ser conferido em …

    Leia mais »