Um Lugar Silencioso

89 dias. É assim que começa a história de Um Lugar Silencioso.

A família que luta pela sobrevivência em uma cidade praticamente deserta é composta pela mãe, Emily Blunt (de A Garota no Trem e No Limite do Amanhã), o pai, John Krasinski (de The Office13 Horas – Os Soldados Secretos de Benghazi), e os três filhos, Millicent Simmonds (de Sem Fôlego), Noah Jupe (de Extraordinário) e Cade Woodward (que se vocês assistirem ao trailer já saberão o que acontece ao pequenino). A filha mais velha é deficiente auditiva (de verdade), um ponto importante que aumenta as preocupações da família. O filho do meio é um tanto medroso. Já o menorzinho… bom…

A família que anda descalça
A família que anda descalça

Sobrevivendo

Após um acontecimento muito desagradável (que eu não posso dizer qual, mas que já deu pra entender) somos levados por um salto de mais de um ano no tempo. Entendemos que algumas técnicas de sobrevivência foram aprimoradas, alguns traumas não foram superados e a ameaça continua constantemente de ouvidos aguçados, sendo o silêncio a melhor chance de viver. Em alguns momentos nos lembramos de Extermínio, de Danny Boyle, nessa pegada de cidade devastada e tal. Já em outros quem vem à mente é M. Night Shyamalan com takes que lembram Sinais, ou A Vila. Não se preocupem, são só takes, a história aqui é outra. Sem ofensas, Shyamalan, amamos O Sexto Sentido e Fragmentado.

Emily Blunt e John Krasinski em cena de Um Lugar Silencioso
Emily Blunt e John Krasinski em cena de Um Lugar Silencioso

Climão

O filme é tenso do começo ao fim. Isso dá à sessão de cinema um clima perfeito. Por ser um longa bem silencioso mesmo, os poucos sons são muito importantes. A não ser que seja o som do colega mastigando a pipoca e bebendo refrigerante por um canudo, todos os sons são relevantes. Em um dos poucos momentos de alívio dos personagens, ouvimos um trecho da canção Harvest Moon de Neil Young, que soa como uma sinfonia de amor ao casal que, convenhamos, sofre tanto… Mas que ideia de jerico foi essa de trazer mais uma criança ao mundo nessas circunstâncias? É claro que um bebê ao nascer vai berrar e atrair os monstros ceguetas! Mas essa família é inteligente e sabe se virar. Deixando os espectadores mega nervosos, obviamente.

Emily Blunt sofre para dar a luz sem gritar
Emily Blunt sofre para dar a luz sem gritar

Krasinski assina o roteiro e a direção além da atuação, que pra mim está impecável. Sou suspeita para falar pois sou fã do (eterno) Jim da série The Office, mas estou muito contente com o resultado desse trabalho. Chega a ser engraçado que na produção esteja presente o nome de Michael Bay, conhecido por filmes tão barulhentos como Transformers.

Tensão e emoção ao longo do filme
Tensão e emoção ao longo do filme

John e Emily Blunt são casados também na vida real. Quanto à mensagem que o filme passa, ele filosofa: “Pra mim, o filme representa o maior medo que todos os pais podem sentir – que um dia, como eu e a Emily, teremos que deixar nossos filhos irem embora para o mundo, e o mundo é assustador“.

Uma bela obra

Apesar de todo seu silêncio, o filme dialoga constantemente com os espectadores, criando muitas sensações como angústia, suor frio, desespero, tristeza, com alguns pouquíssimos momentos de conforto familiar. Assim, a trilha sonora acaba sendo também um personagem, casando com uma fotografia bela pra não deixar ninguém entediado.

Um Lugar Silencioso estreia dia 05 de abril nos cinemas.

Um Lugar Silencioso

Título Original: A Quiet Place

Ano: 2018

Data de lançamento: 05 de abril de 2018 (Brasil)

Elenco: John Krasinski, Emily Blunt, Noah Jupe, Millicent Simmonds, Cade Woodward

Gênero: Drama, Horror, Thriller

Distribuidora: Paramount Pictures

Direção: John Krasinski

Tags

Veri Luna

Veri Luna é fotógrafa, videomaker, formada em pedagogia e audiovisual, ama cinema, livros, comida e gatos.

Matérias Relacionadas

Close