Uma Noite Não é Nada, tédio e sedução

Uma Noite Não é Nada é o novo filme do diretor francês radicado no Brasil Alain Fresnot, de Família Vende Tudo e Desmundo. O drama conta a história da paixão irracional e intensa do professor Agostinho (Paulo Betti) pela sua aluna Márcia (Luiza Braga).

A trama se passa em São Paulo, no ano de 1985. Agostinho, um entediado professor de física de um supletivo noturno, acaba se apaixonando por uma de suas alunas, Márcia, uma mulher bem mais jovem que ele e emocionalmente perturbada. Eles começam um relacionamento estranho, mas logo a coisa se torna séria, fazendo com que Agostinho comece a arriscar seu casamento com Januária (Cláudia Mello).

Uma Noite Não é Nada
Cláudia Mello e Paulo Betti em cena do filme

Márcia é uma jovem transgressora, aluna do supletivo, que vive se drogando, se divertindo, e não se preocupa com as consequências. Quando seu caminho cruza com o professor Agostinho, o que era uma brincadeira acaba se tornando uma obsessão. Ele vive uma vida monótona e sem grandes emoções, até que uma crise de meia idade se une a essa paixão intensa transformando os rumos da sua vida.

“Interpreto um professor que leva uma vida sem sabor, rotineira e desgastada. Inclusive o casamento está parado e, nesse momento, ele se sente atraído por uma aluna e se envolve. Mas é algo bem mais complexo. Ela conta que é soropositivo e ele entra em uma aventura irresponsável.”

Paulo Betti

Uma Noite Não é Nada

O filme aborda a diferença de idade entre os dois, mas não é o ponto principal. A moça não é uma garotinha menor de idade. Ela vive seduzindo o professor e sabe muito bem o que está fazendo. Ele, um velho babão, deveria ficar na dele, mas não resiste. Assim, eles acabam em uma relação doentia, aparentemente sem sentimentos, onde ela quer sugar o tesão dele disfarçado de boa vontade e ele acredita que ela possa amá-lo, ou ao menos mudar sua vida.

Uma Noite Não é Nada
Luiza Braga é Márcia

O filme tenta chocar o público, mas acaba causando repúdio. O que essa moça queria ao seduzir seu professor? Nota? Caronas? Dinheiro? O professor está tão necessitado assim, a ponto de seguir o ônibus que ela pega para saber onde ela mora? E mais, entra no prédio e procura apartamento por apartamento, até encontrá-la! A garota é sem noção, vive drogada, percebe que Agostinho não desiste de tentar levá-la para cama e mesmo assim não se afasta.

Sem crítica

Além de romantizar a relação abusiva entre os dois, o longa traz a questão da epidemia de AIDS de forma banal. Márcia é soropositiva e quase que desafia o professor a fazer sexo com ela mesmo assim. Seria uma metáfora quando ele tira o filtro de seus inúmeros cigarros quando está perto de Márcia, mas não quando está junto à esposa? Tira o filtro dos cigarros, tira o filtro da vida. Não há escrúpulos, não há pudor. Somente o tédio e o tesão que comandam seus atos.

Eu diria que o grande destaque do filme é a sua ambientação. A direção de arte mandou muito bem em trazer os elementos do dia a dia de um cidadão de São Paulo nos anos 80. Vemos pagers, ônibus da CMTC, camisetas pedindo Diretas Já. Está tudo ali, o filme parece realmente da época. Outro ponto interessante é a cena em que Agostinho procura por Márcia pelas salas de aula e sua obsessão é tanta que ele não enxerga as outras pessoas como indivíduos, ele somente repete o padrão das salas. Ou seja, vemos um aluno folheando as páginas, outro dormindo, numa repetição infinita.

Fica a dúvida de onde o diretor queria chegar com Uma Noite Não é Nada, mas é claro que cada um pode tirar suas próprias conclusões. Por isso, vamos prestigiar o cinema nacional, sempre.

Uma Noite Não é Nada

Nome Original: Uma Noite Não é Nada
Direção: Alain Fresnot
Elenco: Paulo Betti, Claudia Mello, Fernanda Vianna, Daniel Hendler
Gênero: Drama
Produtora: A.F. Cinema e Vídeo
Distribuidora: Imovision
Ano de Lançamento: 2019
Tags

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar
Fechar