A Casa das Flores – 3ª temporada da série

O fim da saga da família De La Mora

A Casa das Flores – 3ª temporada parte, mais ou menos, de onde a segunda parou. Paulina (Cecilia Suárez) está presa e começa a ser perseguida dentro da cadeia por Jenny (Mariana Treviño), ex-amante de seu pai (Arturo Ríos). Elena (Aislinn Derbez), que sofreu um acidente de carro na última temporada, está em coma e grávida de Diego (Juan Pablo Medina), namorado de seu irmão Júlian (Dario Yazbek Bernal).

Ao mesmo tempo, a série volta para os anos 1970 e conta a história dos patriarcas da família, Virginia (Isabel Burr) e Ernesto (nessa fase interpretado por Tiago Correa).

A série então se estabelece em dois tempos: os dias atuais, onde acompanha Paulina, Elena e Júlian e as pessoas que se relacionam com eles; e os anos 1970, onde mostra Virginia, Ernesto e os amigos Pato (Christian Chávez) e Carmela (nessa fase interpretada por Ximena Sariñana).

"Ernesto,

O presente – A Casa das Flores – 3ª temporada

No presente, acompanhamos Paulina na cadeia, se virando como pode. Ela tem que fugir primeiro de Jenny, ex-amante e comandante de uma seita da qual Ernesto, pai de Paulina fazia parte, e mais tarde, de uma mulher misteriosa chamada Chiva, que diz ter algo a cobrar da família De La Mora.

Elena está em coma, enquanto a família discute se deve seguir com a gravidez, da qual só Diego sabe a procedência. Júlian e Diego primeiro buscam quem poderia ser o pai do filho de Elena, e depois brigam porque o pai é Diego.

A casa das flores - 3ª temporada

A trama

No entanto, a trama que se passa no presente parece um pouco sem sentido, como se tivesse acabado o assunto, o que não é verdade. A história de Paulina na prisão até é divertida e rende bons momentos. Ao mesmo tempo, se liga com a história de Virginia quando jovem. Já a de Elena, que passa boa parte da temporada em coma, é monótona e sem graça. Especialmente porque o público sabe que ela está grávida de Diego e que eles fizeram isso com a intenção de dar um filho para Júlian.

A procura de Júlian e Diego, então, soa completamente sem sentido, já que não só a audiência sabe quem é o pai do filho de Elena, como também o próprio Diego. A briga entre os dois soa como uma maneira de esticar uma situação que já estava resolvida na segunda temporada, quando os dois ficaram juntos.

É quase como se o roteirista não soubesse muito bem o que fazer com seus próprios personagens. Diego, influenciado pelos pais, que não aceitam sua sexualidade, resolve se submeter a uma cura gay. Tudo bem que esse é um assunto que deveria mesmo ser tratado em uma série popular, mas não faz muito sentido, já que Diego era orgulhosamente gay desde a primeira temporada e, inclusive, ajudou Júlian a se assumir.

Valentina Bagni e Dario Yazbek Bernal em cena da série
Valentina Bagni e Dario Yazbek Bernal em cena da série

O passado

A trama que se passa em 1979, por outro lado, é um pouco mais interessante. Ela segue a jovem Virginia, mãe de Paulina, Elena e Júlian, que resolve perder a virgindade durante sua festa de 18 anos. Somos apresentados não só a Virginia, como também a Ernesto, que viria a ser seu marido; Carmela, que mais tarde se tornaria a melhor amiga de Virginia; Salomón (Javier Jattin), seu namorado na época; e Pato, seu melhor amigo e as relações que eles travam entre si.

Virginia e Ernesto são muito amigos e confidenciam segredos um para o outro, enquanto Carmela, está completamente apaixonada por Ernesto e Pato vive saindo com uma série de homens mais velhos, mas tem uma paixão secreta. A trama de Pato, por exemplo, que é apresentada e desenvolvida completamente nessa temporada, é muito mais interessante do que a de qualquer um dos personagens que o telespectador vinha acompanhando desde o começo da série.

Paulina começa A Casa das Flores - 3ª temporada na cadeia
Paulina começa a temporada na cadeia

É interessante que isso aconteça, a trama é muito bem escrita e o personagem é bem carismático, mas não seria melhor se a trama dos irmãos De La Mora, que são, pela lógica, o motivo pelo qual as pessoas assistem à série, fosse tão forte quanto a que abarca a juventude de seus pais? A sensação que fica é que o roteirista estava muito mais focado na trama de Virginia, Ernesto, Pato e Carmela quando jovens, do que na trama de Paulina, Elena e Júlian e isso é uma falha.

Do passado para o presente

O que a série faz é usar um assunto que está sendo tratado nos dias de hoje, para puxar um acontecimento que tenha acontecido nos anos 1970. Então, enquanto se discute a questão da gravidez de Elena, somos automaticamente levados a 1979, quando Virginia descobriu que estava grávida de Paulina. Alguns personagens fazem parte das duas tramas, e também motivam os flashbacks, como a empregada Delia (Norma Angélica), a Chiva e a mãe de Virgina, Victoria.

Virginia e a mãe, Victoria
Virginia e a mãe, Victoria

A ideia de mostrar o presente e o passado é interessante, uma vez que os acontecimentos do passado servem, muitas vezes, para justificar as ações de Virginia e Ernesto nas três temporadas da série e também para revelar alguns dos poucos segredos da família, que ainda não tinham vindo à tona. No entanto, a trama dos anos 1970 tem claramente muito mais cuidado que a dos dias atuais, o que é um problema.

Enquanto a história de Virginia tem comédia, drama e uma boa trama sustentando tudo isso a ponto de dar um spin off da série, a trama de Paulina, Elena e Júlian parece mal-acabada e feita apenas para encher linguiça.

Aspectos técnicos

Em relação aos aspectos técnicos, a terceira temporada de A Casa das Flores é muito parecida com a primeira e a segunda. A série ainda usa de muitas cores e todas bem fortes. A casa da família, que agora parece abandonada, tem uma decoração estridente, que praticamente grita.

Isabel em A Casa das Flores - 3ª temporada
Isabel

Já a parte que se passa nos anos 1970, tem cores um pouco mais chapadas, como se fossem filmagens antigas. Essa é uma boa forma de mostrar que trama se passa em qual época, já que os flashbacks aparecem do nada e sem qualquer aviso.

A Casa das Flores – 3ª temporada mantém o bom nível de atuação das outras temporadas. Cecilia Suárez é sem dúvida, a estrela da série e prossegue com a sua Paulinia que fala pausado e é extremamente divertida. Aislinn Derbez e Dario Yazbek Bernal, no entanto, tem pouco tempo de tela e quase não aparecem, embora entreguem boas atuações e interpretem personagens interessante e bem construídos.

Vale a pena então?

Deve-se também comentar que o elenco da trama dos anos 1970 também é muito bom e está especialmente bem caracterizado. Isabel Burr é bem parecida com Verónica Castro, que interpretou Virginia nas primeiras temporadas da série, e Christian Chávez, que interpreta Pato se sai muito bem no papel.

Carmelita em A Casa das Flores - 3ª temporada
Carmelita

A série ainda conta com a participação especial de Valentina Bagni, ex-participante de Rupaul´s Drag Race, que também é mal aproveitada na série e parece colocada ali apenas para montar Júlian de drag e dar a entender que pode ter alguma coisa rolando entre os dois, mesmo que isso não seja desenvolvido.

A série ainda tem o seu aspecto de novelão mexicano, que consegue tirar sarro de si mesma e, como já é tradição, traz uma cena musical protagonizada por Ximena Zariñana, que é ótima e muito tocante. A Casa das Flores – 3ª temporada entrega um desfecho para a história da família De La Mora, mas que não chega aos pés das tramas criadas e desenvolvidas nas temporadas anteriores.

A Casa das Flores - 3ª temporada

Nome Original: A Casa das Flores
Elenco: Cecilia Suárez, Aislinn Derbez, Dario Yazbek Bernal, Arturo Ríos, Juan Pablo Medina
Gênero: Comédia, Drama
Produtora: Netflix
Disponível: Netflix

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar
Fechar