A Espiã Vermelha, lealdade no auge da espionagem

Em A Espiã Vermelha, Judi Dench e Sophie Cookson dão vida à Joan Stanley. Em 1938, ela era uma caloura em Cambridge. Já no ano 2000, Joan é uma senhora procurada pelo serviço de segurança britânico.

Ao entrar na universidade, Joan se une a uma sociedade comunista estudantil, onde conhece o jovem alemão Leo Galinch (Tom Hughes) e logo se apaixona por ele. Esse relacionamento certamente faz com que ela passe a enxergar o mundo sob outra ótica e se envolva com atividades do Partido Comunista. Quem apresenta Joan ao mundo político e ao primo Leo é a nova amiga despojada Sonya (Tereza Sborva). Assim, juntas elas se divertem e também participam de reuniões do partido.

Sophie Cookson interpreta a jovem Joan em A Espiã Vermelha
Sophie Cookson interpreta a jovem Joan

A Espiã Vermelha

Joan então é convocada pela KGB (Comitê de Segurança Russo) para atuar como espiã do governo Stalin no Reino Unido, quando a guerra contra a Alemanha é declarada e Leo não pode mais permanecer na Inglaterra. Ao concluir sua graduação em física, Joan consegue um emprego no famoso Laboratório Cavendish, em Cambridge. Ali, ela conhece o líder de um projeto secreto em andamento, o professor Max Davies (Stephen Campbell Moore), que se impressiona com a jovem e a coloca a par do segredo: estão desenvolvendo uma bomba atômica.

Afinal, Joan chega à conclusão que o mundo está à beira da destruição. Confrontada por uma pergunta impossível – que preço você pagaria pela paz? – a moça deve escolher entre trair o país ou salvar seus entes queridos. Entretanto, se ela passar essas informações adiante para seus amigos russos estará agindo contra sua pátria. Mas se não o fizer estará colocando milhares de vidas em risco.

Como ela poderia resistir aos encantos desse rapaz?
Como ela poderia resistir aos encantos desse rapaz?

“Assim como muitos dos cientistas que trabalharam no desenvolvimento da bomba na América, no Canadá e na Grã-Bretanha, Joan sente vergonha e culpa esmagadoras quando armas de destruição em massa são desencadeadas primeiro em Hiroshima e, dias depois, em Nagasaki”, explica o diretor Trevor Nunn.

No futuro…

Mais de 50 anos depois, Joan é uma senhora aposentada, que mora no subúrbio na virada do milênio. Ela então é presa pelo MI5 e acusada de espionagem, ao fornecer informações confidenciais para a Rússia comunista. Seu filho Nick (Ben Miles), advogado, que não sabia desse passado, está determinado a limpar o nome de sua mãe. Mas, será que ela realmente é inocente?

Joan, já senhora, é levada pelo serviço de segurança em A Espiã Vermelha
Joan, já senhora, é levada pelo serviço de segurança

Enquanto é interrogada, Joan relembra sua vida de estudante e nós a conhecemos através de flashbacks. Por meio da amizade com Sonya, Joan se envolveu em uma sociedade comunista estudantil. Ali, fica difícil para ela distinguir entre o envolvimento romântico com Leo e a sensação de que ele a está preparando para participar de atividades suspeitas do partido. Afinal, o rapaz é encantador e ela não resiste às suas investidas.

Alguns aspectos técnicos de A Espiã Vermelha

As atuações de todos estão brilhantes. Judi e Sophie estão ótimas compartilhando a vida dessa mulher que teve que ser muito forte para fazer o que fez. Os anseios e tentações que Joan enfrentou também cumprem muito bem seus papéis na forma de Leo e Max. Além disso, outros assuntos polêmicos são abordados, como a homossexualidade de um outro membro do círculo de espiões de Cambridge.

Joan e Max em A Espiã Vermelha
Joan e Max

É interessante comentar que Joan não é motivada a espionar por uma ideologia comunista. Ela faz o que faz por estar horrorizada com os atentados a Hiroshima e Nagasaki e quer garantir que isso nunca mais aconteça. Tudo que ela quer é que o mundo seja melhor. Outro ponto importante é o fato de ser uma mulher espionando. Como as moças geralmente ficavam em segundo plano, ela dificilmente seria considerada uma ameaça.

O diretor comenta sobre seu objetivo com a produção: “o filme tenta contar uma história fundamentalmente verdadeira de uma forma fundamentalmente verdadeira. Será que Joan estava certa em fazer o que ela fez? O filme faz essa pergunta e espera que todos assistindo queiram discutir, ponderar e debater este assunto”.

O longa é baseado no livro homônimo de Jennie Rooney, que conta a história real de Melita Norwood, que foi uma espiã inglesa a serviço da KGB. O livro entrou na fila da leitura, claro, afinal, gostei bastante do filme. Bem fluido, sem enrolação, A Espiã Vermelha é uma ótima pedida para quem gosta de biografias e histórias reais do período da segunda guerra. O filme tem estreia prevista nos cinemas brasileiros em 16 de maio, com distribuição da California Filmes.

A Espiã Vermelha

Nome Original: Red Joan
Direção: Trevor Nunn
Elenco: Judi Dench, Sophie Cookson, Stephen Campbell Moore, Tom Hughes, Tereza Srbova
Gênero: Biografia, Drama, Romance
Produtora: Trademark Films
Distribuidora: California Filmes
Ano de Lançamento: 2018
Tags

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar
Fechar