Deadpool vem aí, lá lá láralálá

Seguindo a linha de super anti herói, com muita pancadaria e risadas, Deadpool vem conquistando milhares de fãs pelo mundo. Com razão, afinal a zoeira não tem limites! A começar pelas ações de lançamento do filme, com tatuagens na CCXP; vídeos onde Ryan Reynolds caracterizado como o mercenário pede desculpas a David Beckham por ter aloprado o jogador no primeiro filme; o carro da pamonha aqui no Brasil; ou o clipe gravado com o ícone canadense Celine Dion para a música tema, que você confere aqui e eu sugiro que assista até o final:

Sem tédio

A abertura de Deadpool 2 já é super intensa, cheia de mortes e sangue pra todo lado. Até faz lembrar a cena “The Bride VS. Gogo and The Crazy 88’s” do filme Kill Bill, resumida, é claro. Podemos ver Deadpool executando mafiosos em várias cidades do mundo como Tóquio, Sicília e Hong Kong. Tudo bem rapidamente e com o propósito de chegar em sua situação atual: prestes a começar uma família com Vanessa, a lindíssima brasileira, esposa de Ben McKenzie, o Jim Gordon da série GothamMorena Baccarin.

Maravilhosa Morena Baccarin
Maravilhosa Morena Baccarin

Além de Vanessa, outros personagens do primeiro filme estão de volta: Weasel (T.J. Miller) seu amigo do bar, Dopinder (Karan Soni), o taxista com desejos de se tornar um fora da lei, e os X-Men: Negasonic Teenage Warhead (Brianna Hildebrand) e Colossus (CGI com a voz de Stefan Kapicic).

A sequência de Deadpool é dinâmica, bem estruturada, com uma história simples, porém muito divertida e engraçada. Supera o primeiro filme no quesito piadas escrachadas e referências tanto do universo da Marvel quanto da cultura pop em geral. Ryan Reynolds segue zoando a si mesmo para pagar os pecados de alguns de seus outros filmes como Lanterna Verde (2011) e como o próprio Deadpool, mas na versão de X-Men Origens: Wolverine (2009).

Ryan Reynolds está definitivamente puto com esses papéis
Ryan Reynolds está definitivamente puto com esses papéis

A trama

O objetivo de Wade Wilson (ah é, Deadpool também tem nome nesse esquema “Peter Parker”, “Clark Kent”) neste filme é impedir que um soldado vindo do futuro, chamado Cable (Josh Brolin, sim, ele mesmo, vá ver a filmografia dele) mate um mutante de 14 anos que não consegue controlar seus impulsos vingativos. Então, nosso querido tagarela reúne uma equipe de “heróis” para ajudar na missão, contando principalmente com Domino (Zazie Beetz) e sua super sorte. Podem esperar participações surpresas nessa equipe batizada de X-Force, então recomendo que prestem bastante atenção em cada um deles! Só não esperem muitas explicações, afinal, estamos lidando aqui com um filme mais descompromissado. Ou seja, não há muitos detalhes sobre Cable e nem sobre o pequeno mutante Russell.

Como já vimos no primeiro filme, Deadpool mantém a característica (também presente nos gibis) de quebrar a quarta parede. Ele conversa com os espectadores sobre vários absurdos que ocorrem na tela. Inclusive reclama do roteiro “mal escrito”. Ryan além de atuar, é o produtor dos filmes de Deadpool e utiliza do humor para se esquivar de eventuais situações desconfortáveis.

Ótimos pôsteres
Ótimos pôsteres

Deadpool e mais um pouco

O filme tem seu clima descontraído, mas é claro que há também algumas mensagens nas entrelinhas. Sutilmente, o longa aborda preconceitos. Traz um casal lésbico inter-racial, um mutante acima do peso que reclama da falta de representatividade e uma heroína negra empoderada. Fala também de amizade e família. Mas será um filme família? Acho melhor deixar as crianças em casa, viu…

A trilha sonora é sensacional trazendo vários clássicos românticos dos anos 80 como Air Supply, A-haCher ao lado de loucos e futurísticos dubsteps de Skrillex. Cenas com cabeças cortadas, mutilações e muita violência ao som de Enya. Não é demais? Não se engane, o fim do filme não é aquela cena emocionante com a versão acústica linda de Take On Me. Ainda tem coisa pra rolar. As cenas entre os créditos são essenciais à trama, então nada de sair do cinema antes da hora, ok?

Teve até referência a Say Anything (1989) tocando In Your Eyes do Peter Gabriel
Teve até referência a Say Anything (1989) tocando In Your Eyes do Peter Gabriel

Dirigido por um dos caras que matou o cão de John Wick, Deadpool 2 estreia dia 17 de maio.

Deadpool 2

Direção: David Leitch (Atômica, 2017)

Elenco: Ryan Reynolds, Josh Brolin, Morena Baccarin, Zazie Beetz, Julian Dennison

Gênero: Ação, Aventura, Comédia, 18+

Produtora: Twentieth Century Fox

Lançamento: 17 de Maio

Tags

Veri Luna

Veri Luna é fotógrafa, videomaker, formada em pedagogia e audiovisual, ama cinema, livros, comida e gatos.

Matérias Relacionadas

Close