Livros

A Justiça Chama, de Annie Bellet

Sem perder tempo, a autora Annie Bellet inicia a narrativa colocando o leitor no meio de um enigma bem elaborado, com uma protagonista carismática e identificável, com a escrita dinâmica, sem vícios de linguagem e em primeira pessoa. E essa limitação de pontos de vista, favorece a narrativa que vai ficando cada vez mais tensa e sufocada por um mistério pontual.

A personagem principal, Jade Crow, é uma feiticeira que sobrevive escondida na pequena Wylde, Idaho, com sua loja de jogos e seus amigos nerds (a maior parte deles é transmorfo). As coisas viram de ponta cabeça, quando um russo à lá Juiz Dredd (que é juiz, juri e executor), aparece em sua porta com um caso em mãos, que envolve a mãe de um deles e depois um dos próprios amigos, todos sendo afetados de alguma forma por forças sombrias que recaem sobre o grupo.

Nenhum texto alternativo automático disponível.

Sem se perder em romances, já que a história não permite espaço pra isso, Jade e seus amigos conduzem o enredo em capítulos curtos e grossos, que funcionam do começo ao fim. A história é redonda e fechadinha, apesar de fazer parte de uma série, com outros 6 livros pela frente. O passado da protagonista também é interessante e complexo, prometendo uma tempestade que se aproxima vagarozamente, sem saber quando exatamente vai chegar, na figura de Samir, ex amante e mestre de Crow, que funciona aqui mais ou menos como a figura de Kilgrave em Jessica Jones, o que por si só é uma promessa e tanto.

À parte disso, A Justiça Chama se resolve dentro dos mistérios propostos, já que a cada pequeno momento solucionado, outro enigma se abre, até a conclusão final, com ares bem-vindos de Scooby-Doo, tendo em vista que a ameaça não é de fato grandiosa (e isso me pareceu um indicador de que cada desafio será maior a cada livro), e que as grandes questões do primeiro livro se dão quanto às decisões de Jade Crow. É nela que reside os pontos iniciais, para que uma história maior se desenvolva, a partir da escolha que ela faz no desfecho.

A Justiça Chama

Cheio de referências geeks, que vão da Marvel até a DC, de jogos contemporâneos a RPG atemporais, de filmes e séries antigos, A Justiça Chama é um ótimo começo de série, que dá para ser em um dia, mantendo a curiosidade pelo que virá a seguir. Fantasia urbana de primeira.

Mostrar Mais

Douglas MCT

Douglas MCT já escreveu para os gibis da "Turma da Mônica", roteirizou o desenho animado "Galera Animal" da TV Globo, participou do enredo do game "Chico Bento" para as redes sociais, é autor dos quadrinhos “Edgar Alan Corvo”, "SUPER" e “Hansel&Gretel”, e dos livros "O Coletor de Almas" e da série "Necrópolis".

Matérias Relacionadas

Close