Alex Strangelove, outro filme adolescente original Netflix

Alex (Daniel Doheny) tem 17 anos e namora há um tempo com Claire (Madeline Weinstein). Como manda o figurino dos filmes adolescentes americanos, Alex e Claire planejam perder a virgindade juntos, mas tudo muda quando, em uma festa, Alex conhece Elliot (Antionio Marziale).

O roteiro de Alex Strangelove não é muito diferente das diversas comédias românticas adolescentes que muitos de nós cansamos de assistir nos anos 90, 2000 e até recentemente com A Barraca do Beijo, também da Netflix. Todos os aspectos dos filmes do gênero estão presentes nesse também: o colegial americano, as drogas, as festas, o baile e a perda da virgindade como tema central. A única diferença de Alex Strangelove para os outros filmes dessa temática é que, nesse, temos um protagonista gay (ou possivelmente bissexual).

E é exatamente isso que faz de Alex Strangelove um filme tão interessante e importante. É raríssimo ver um filme com protagonista LGBTQ+ que não seja um drama, com familiares que não aceitam a sexualidade do personagem e que não termine em tragédia, mas isso vem mudando desde o lançamento de Com Amor, Simon, que também é uma comédia romântica adolescente com um protagonista gay.

Daniel Doheny como Alex

A importância de filmes, especialmente voltados para o público adolescente (que está se descobrindo e pode se reconhecer naqueles personagens) com personagens LGBTQ+ é enorme, ainda mais filmes que querem narrar um romance e que não mostrem os personagens gays se dando mal infinitamente. É claro que é importante mostrar todo o preconceito e falta de aceitação que as pessoas LGBTQ+ podem sofrer, nem que seja para conscientizar o espectador, mas também é muito importante mostrar que relacionamentos gays podem dar certo e que merecem finais felizes, principalmente para um adolescente que esteja se questionando e se descobrindo agora.

Claro que Alex Strangelove não é só um mar de rosas, o filme se preocupa em mostrar Alex se descobrindo, uma coisa que não acontece em Com Amor, Simon, já que no segundo, o personagem, embora não seja assumido, já se aceitou. Alex, por sua vez, parece não ter tanta certeza sobre a sua sexualidade.

Outro ponto positivo do filme é que ele mostra outro personagem gay, que é assumido e extremamente feliz com a sua opção. Elliot, o garoto que Alex conhece em uma festa e que acaba se tornando seu interesse romântico, deixa claro desde o começo que é gay e não tem nenhum problema em demonstrar que está interessado em Alex, mas ele também parece disposto a se afastar quando percebe que Alex ainda não está pronto para se aceitar e que prefere manter seu namoro com Claire. Dessa maneira, o filme também fala a plateia sobre o tempo de cada um, e que ninguém deve passar por cima da vontade de outra pessoa.

Alex e Claire

Alex Strangelove também nos apresenta dois personagens gays bem diferentes um do outro. Alex, é tímido e meio nerd e está bem longe do estereótipo de gay que foi usado e abusado durante muito tempo pelo cinema. Já Elliot é um pouco mais feminino, gosta de arte e tem pôsteres de filmes LGBTQ+ por todo o quarto. Longe de reforçar estereótipos, o filme nos mostra que existem várias formas de ser gay e que todas são igualmente válidas.

Outra coisa legal do filme é que mesmo se descobrindo, Alex não quer deixar Claire de lado em nenhum momento. Ele tenta manter o relacionamento durante bastante tempo e não quer machucá-la, embora ele dê algumas pisadas de bola durante o filme. Alex Strangelove não deixa exatamente claro que Alex estava com Claire apenas para ter uma fachada, muito pelo contrário, ele parece de fato gostar da garota (nem que seja como amiga), o que deixa a interpretação aberta até para uma possível bissexualidade.

O filme tem um elenco jovem que não é muito conhecido, mas que se sai muito bem no seu papel. O protagonista Daniel Doheny parece ideal para o papel e é capaz de fazer o público simpatizar com ele, já Madeline Weinstein, que interpreta Claire, entrega uma personagem divertida, inteligente e compreensiva. Antonio Marziale (que é gay assumido na vida real) interpreta Elliot de uma maneira tão apaixonante que é muito fácil para o espectador entender porque Alex está tão mexido pelo rapaz, e não é exatamente isso que a gente quer quando assiste uma comédia romântica?

Elliot e Alex

Outra coisa importante é que o casal formado por Alex e Elliot é de fato, muito fofo e é impossível não torcer por eles. O elenco também conta com atores de tamanhos e etinicidade diferentes.

A trama pode não ser absurdamente original, mas Alex Strangelove é um filme bonitinho, que vai fazer você torcer pelo casal principal, mais ou menos como quando você era adolescente e mostra que está mais do que na hora de vermos mais protagonistas LGBTQ+ em comédias românticas.

Alex Strangelove está disponível na Netflix.

Alex Strangelove

Nome original: Alex Strangelove

Elenco: Daniel Doheny, Madeline Weinstein, Antonio Marziale, Daniel Zolghadri, Nik Dodani

Direção: Craig Johnson

Gênero: Comédia, Drama, Romance

Produtora: Netflix, Red Hour Films, Mighty Engine, STX Entertainment

Distribuição: Netflix

Tags

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar
Fechar