Bulbbul – Fábula de horror foge de convenções de Hollywood

E apresenta uma produção singular

Se eu fosse fazer uma comparação, poderia dizer que este longa é um ”O Labirinto do Fauno indiano”, no sentido de estilo (usar o terror encenado como uma fábula e plantar a dúvida no espectador, se aquilo é real ou imaginário) e no aspecto social (se antes tínhamos a Guerra Civil Espanhola como pano de fundo, agora temos a cultura do estupro institucionalizada nessa nação como mote para o enredo). E tal qual a obra de Guillermo Del Toro, essa também caminha para a excelência, ainda que sua pouca divulgação venha torná-la mais cult do que realmente merece.

Bulbbul

A história se situa durante a presidência de Bengala, em 1880. Bulbbul é casada com Indranil, o Bado Thakur (Senhor Ancião), ainda aos cinco anos. A menininha acaba ficando próxima de Satya, o irmão criança de Indranil. Bulbbul e Satya crescem juntos, brincando e contando histórias de uma mulher demônio (“chudail”).

Bulbbul

O filme começa vinte anos à frente, quando Satya retorna de Londres para sua casa, que vale ressaltar, fica localizada no meio de uma densa floresta, primeiro acerto da regra do gênero realizado pela roteirista e diretora de Bollywood, Anvita Dutt. O segundo acerto foi classificar essa produção como uma espécie de “romance gótico”, mas trocando os velhos castelos europeus ou casarões norte-americanos por um palácio indiano no coração da mata, rodeado por um povoado e suas crendices, controlados por uma elite passiva-agressiva.

Com alguns assassinatos ocorrendo naquele cenário, se instaura um mistério (e a dúvida de que eles estão sendo executados por uma bruxa ou por um serial killer), à medida que a trama equilibra com momentos agradáveis da rotina do reencontro das duas crianças agora crescidas, que guardam um amor platônico, e depois avança para o coração do filme, evidenciando gradualmente a verdadeira história por trás da história, em vários cruciais flashbacks.

Mistérios

A maneira como Anvita direciona essa viagem ao passado é parte de seu terceiro acerto, pois ela move as peças de acordo com a cena em paralelo no presente, fazendo-se entender sem pressa, mas também clareando uma revelação que só chegará nos minutos finais, mas deixando a sensação no público de que aquilo era óbvio desde o princípio, afinal, com tudo o que uma personagem passou, não poderia dar em outra, não é?

A fotografia é um show à parte, no quarto acerto dessa obra com alto valor de produção, ao menos para Bollywood: com longas sequências em vermelho saturado (situados especificamente nos momentos de terror, dos ataques e assassinatos), os efeitos práticos também são eficientes, ainda mais quando aplicados à “bruxa”, que surge de maneira tão bizarra e aterrorizante quanto qualquer Samara do além. Mas, encenado em tom fabulesco, essas passagens acabam sendo um deslumbre para os olhos, já que o verdadeiro horror chega – sempre e infelizmente – das mãos dos humanos.

O irmão gêmeo de Indranil, com problemas mentais, Mahender, mostra uma estranha atração por Bulbbul desde a infância da menina. Ele também é responsável pela cena mais violenta do longa, por isso fica aqui o aviso para quem pode ver nisso algum gatilho. Sem jamais usar tal violência (seja física, psicológica ou sexual) de maneira gratuita, a cineasta trata cada uma dessas passagens com a sensibilidade devida, apontando os dedos para as feridas, enquanto usa dessas tragédias para justificar o poder de sua narrativa.

Bulbbul

O elenco de Bulbbul

A belíssima Tripti Dimri mostra um talento sem igual no papel da protagonista, em várias camadas que honestamente surpreendem, seja na inocência e ingenuidade durante as cenas do passado, seja em sua audácia e cinismo no presente. Mesmo assim, ela emociona com momentos tocantes perto do final, diante de toda uma selvageria que grita por vingança, colocados ali de forma certeira.

Avinash Tiwary representa bem o ideal de “príncipe encantado” com seu Satya, mesmo que a trama o subverta mais próximo da figura errante de um Larry Talbot. Rahul Bose incomoda com suas atuações dúbias dos gêmeos; enquanto de um lado temos um líder passivo-agressivo e seguro de si, no outro temos a figura atormentada de um homem em ruínas, capaz dos piores dos horrores. Parambrata Chatterjee é o ponto de equilíbrio na história, sensato e gentil, fazendo o curioso médico da aldeia. Por outro lado, Paoli Dam interpreta a inveja da forma mais humanizada possível. Quinto acerto, o elenco.

Assim, maravilhosamente belo em suas composições e incrivelmente inventivo em sua história, Bulbbul revela a brutalidade da misoginia em uma fábula tocante.

Bulbbul | Official Trailer | Tripti Dimri, Rahul Bose, Avinash Tiwary | Netflix India

Bulbbul

Nome Original: Bulbbul
Direção: Anvita Dutt
Elenco: Tripti Dimri, Avinash Tiwary, Rahul Bose
Gênero: Drama, Horror, Mistério
Produtora: Clean Slate Films
Distribuidora: Netflix
Ano de Lançamento: 2020
Tags

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar