Cabra Marcado Para Morrer

Um documentário único

Em 1962, o líder camponês João Pedro Teixeira foi assassinado e Eduardo Coutinho planejou um filme semidocumental sobre a vida de Teixeira, mas o golpe militar de 1964 interrompeu as gravações, separou a equipe e a ditadura passou a perseguir Elizabeth Altino Teixeira, a viúva de João Pedro.

Dezessete anos depois, quando a ditadura já estava prestes a terminar, Coutinho retoma o trabalho e se reencontra com Elizabeth e os outros personagens dessa história.

O documentário

Cabra Marcado Para Morrer é um filme muito particular em muitos sentidos, e certamente é uma obra inovadora, não só para a época, como também para os dias de hoje. A ideia original do diretor Eduardo Coutinho era retratar a vida de João Pedro Teixeira, líder camponês assassinado a mando de latifundiários do Nordeste, em 1962, mas o que faz o longa diferente é justamente a maneira com que a vida do biografado é retratada.

Elizabeth e os filhos em Cabra Marcado Para Morrer
Elizabeth e os filhos

Cabra Marcado Para Morrer é um filme semidocumental que narra fatos reais da vida de João Pedro Teixeira, mas não tem o formato de um documentário tradicional, onde as pessoas dão entrevistas, ele apresenta sua trama através de reencenações, interpretadas muitas vezes pelas pessoas que viveram aqueles momentos.

No entanto, a segunda parte do filme já segue outra lógica: o documentário se torna mais clássico e passa a entrevistar as pessoas que fizeram parte da história de Teixeira e da primeira produção do documentário. Isso torna Cabra Marcado Para Morrer um híbrido do gênero, mas que ainda é muito interessante e muito diferente de qualquer outro documentário.

O golpe militar

O golpe militar de 1964 é outra questão bem importante no filme, embora essa não fosse a ideia original de Coutinho. O documentário começa falando da vida de João Pedro Teixeira, mas o golpe militar interrompeu a produção, parte da equipe de filmagem chegou a ser presa e Elizabeth Altino Teixeira passou a ser perseguida e teve que viver na clandestinidade.

Cabra Marcado Para Morrer é um documentário único
Cabra Marcado Para Morrer é um documentário único

Quando as filmagens retornam, em 1984, o país já se encaminha para uma abertura da ditadura e Elizabeth pode voltar a viver normalmente. O documentário então, toma outros caminhos e passa a analisar os efeitos da ditadura na vida da família Teixeira. Eduardo entra em contato com Elizabeth, agora vivendo como Martha, e depois com alguns dos filhos dela, que foram separados e espalhados pelo Brasil.

O golpe militar que desencadeou em uma ditadura de 21 anos não só é o motivo pelo qual as filmagens foram adiadas, como também se torna o assunto do filme, já que ele passa a narrar acontecimentos dessa época que afetaram não só a vida de Elizabeth e seus filhos, mas também da equipe do filme e de outras pessoas na região.

Aspectos técnicos de Cabra Marcado para Morrer

Este é um documentário que passa longe de aspectos clássicos e comuns ao gênero. Na sua ideia original, o longa deveria retratar a história de João Pedro Teixeira através de reconstruções interpretadas pelas pessoas que passaram pela situação real e existem algumas cenas nesse estilo, no entanto, depois que as filmagens foram interrompidas, o filme se torna um documentário comum e clássico.

O longa mostra os efeitos da ditadura militar
O longa mostra os efeitos da ditadura militar

Ainda existem cenas do elenco da primeira parte do filme assistindo às cenas que foram gravadas nos anos 1960, reagindo a elas e comentando o que aconteceu durante esses vinte anos. O interessante de Cabra Marcado Para Morrer é como ele se adequou ao tempo e às adversidades que surgiram no caminho e se transformou em um filme diferente, muito em função disso.

O longa não só aborda a vida de João Pedro Teixeira, que lutava por justiça, como também fala sobre como a ditadura militar mudou a vida de uma série de pessoas e, mais do que isso, fala sobre luta de classes e justiça social.

Cabra Marcado Para Morrer mistura uma série de técnicas
O longa mistura uma série de técnicas

É óbvio que este é um filme importante, não só pelo cinema, mas por todas as suas inovações e pelo conteúdo que ele transmite. Por outro lado, a obra é um pouco lenta e demora para engatar, ela se torna bem mais interessante, por exemplo, quando Coutinho começa a procurar os filhos de Elizabeth, o que acontece depois de uma hora de duração, o que claro, pode desanimar o telespectador.

Cabra Marcado Para Morrer é uma obra essencial para quem gosta de cinema, de documentários ou para quem quer conhecer um pouco mais da história do país. O longa chega ao Belas Artes À La Carte no dia 30 de setembro.

Cabra Marcado para Morrer (trailer)

Cabra Marcado Para Morrer

Nome Original: Cabra Marcado Para Morrer
Direção: Eduardo Coutinho
Elenco: Eduardo Coutinho, Ferreira Gullar, Tite de Lemos,
Gênero: Documentário
Produtora: Globo Video, Mapa Filmes, CPC - Centro Popular da Cultura da UNE
Distribuidora: Gaumont do Brasil
Ano de Lançamento: 1984
Tags

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar