Em Trânsito, um romance com o holocausto de fundo

Em Trânsito conta a história de Georg (Franz Rogowsk) que foge da França depois da invasão nazista, e acaba roubando os manuscritos e os documentos de um escritor que ele vê morrer.

Quando chega a Marseille, ele assume a identidade do escritor e acaba conhecendo Marie (Paula Beer), que procura o seu marido, que por acaso é o homem de quem Georg roubou a identidade.

Uma história de amor complicada

Em Trânsito fala da segunda guerra mundial, mas esse é só o pano de fundo para a história de Georg. À sua maneira, Em Trânsito é um filme bem pessoal.

Georg e Marie no filme Em Trânsito
Georg e Marie

Estamos o tempo todo acompanhando Georg, e é assim também que conhecemos Marie. Ela atualmente vive com Richard (Godehard Giese), mas ainda espera o retorno de seu marido.

A primeira vez em que vê Georg, ela o toma por seu marido, o que depois descobrimos que faz sentido, já que Georg está usando o nome dele. Invariavelmente, os dois acabam se apaixonando, mas a relação ainda é complicada. Embora Georg goste, de fato de, Marie, ela parece ainda obcecada pelo marido.

Franz Rogowski como Georg no filme Em Trânsito
Franz Rogowski como Georg

A segunda guerra mundial

O filme também fala um pouco sobre a segunda guerra mundial, embora não aborde isso diretamente. Ficamos sabendo coisas sobre a guerra pelo o que os personagens falam.

No entanto, o filme se preocupa sim em mostrar a dificuldade que os refugiados da guerra tinham para conseguir vistos que permitissem que fossem para países que não estavam em guerra. No caso dos personagens do filme, essa situação acontece na Marseille e vemos, o tempo todo, Georg indo ao consulado na expectativa de poder sair de lá.

Marie vive com Richard, mas espera que o marido retorne
Marie vive com Richard, mas espera que o marido retorne

Outro ponto interessante é que, embora saibamos que o filme fala da 2ª guerra mundial, o termo “nazismo” não é mencionado. E mesmo os figurinos e os objetos de cena não são característicos dos anos de guerra. Isso dá a impressão de que a história poderia se passar em qualquer época, tornando fácil o reconhecimento.

Essa técnica nos tira a ideia de que o holocausto foi um evento distante, que nunca mais vai acontecer de novo e dá quase um alerta para os público dos dias de hoje.

Aspectos técnicos de Em Transito

Há muitos aspectos legais nesta produção. O primeiro deles é justamente o fato de que o filme tem um ar atemporal, quase como se fosse uma distopia, e automaticamente colocando o espectador dentro do filme.

Marie e George se apaixonam em tempos de guerra
Marie e George se apaixonam em tempos de guerra

Outra técnica interessante que o filme usa é a narração em terceira pessoa, do futuro que persegue o narrador. Quem assiste ao filme percebe que a história está sendo narrada por uma pessoa que observa Georg, mas nunca conseguimos ter certeza de quem é essa pessoa. A sensação que se tem quando se assiste ao filme é que estamos lendo um livro.

Em Trânsito tem uma trama interessante, mas ele demora um pouco pra engrenar e para entendermos exatamente o que ele quer falar.

Paula Beer em cena do filme
Paula Beer em cena do filme

Ao longo, o filme pode se tornar um tanto cansativo, mas isso não atrapalha o resultado final, que é bem filmado e trata de uma história relevante.

O filme entra em cartaz no dia 11 de abril.

Em Trânsito

Nome Original: Transit
Direção: Christian Petzold
Elenco: Franz Rogowski, Paula Beer, Godehard Giese, Sebastian Hülk
Gênero: Drama
Produtora: Schramm Film, Neon Productions, Arte France Cinéma
Distribuidora: Supo Mungam Films
Ano de Lançamento: 2018
Tags

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar
Fechar