Eu Te Amo, Agora Morra: O Caso de Michelle Carter

Suicídio e culpa

Eu Te Amo, Agora Morra: O Caso Michelle Carter acompanha o caso de da adolescente de 17 anos que trocou mensagens com seu namorado Conrad Roy, um adolescente depressivo, o incentivando e incitando a prosseguir com seus planos de suicídio. O documentário questiona se Michelle também tem culpa no suicídio do namorado.

Michelle Carter e Conrad Roy eram um casal de jovens namorados, que tinham se conhecido em um acampamento de verão e que mantiveram um relacionamento basicamente por mensagens. Os dois se encontraram poucas vezes ao longo do namoro, mas conversavam diariamente pelo celular. Conrad era um jovem depressivo, que pensava constantemente em suicídio e Michelle, sua namorada, não parecia muito disposta a dissuadi-lo da ideia.

Michelle Carter
Michelle Carter

No dia 13 de julho de 2014, Conrad foi até um supermercado, estacionou seu carro e ligou o motor para dentro do veículo, com a intenção de se envenenar com gás carbônico. Em determinado momento, Conrad saiu do carro e mandou uma mensagem para a namorada, contando o que estava fazendo e perguntando o que ela achava que ele deveria fazer. Michelle mandou ele voltar ao carro e prosseguir com seus planos de suicídio.

Eu te amo, agora morra

Depois da morte de Conrad, Michelle então posou como a namorada de luto, que estava tentando lidar com uma terrível perda. Ela procurou a família de Conrad e realizou eventos em homenagem ao namorado recém falecido.

Conrad Roy
Conrad Roy

O que o documentário quer discutir é justamente a culpa de Michelle no caso. O filme apresenta o casal e as mensagens que eles trocaram e também é bem claro sobre a depressão e os pensamentos suicidas de Conrad. A obra questiona qual era o papel da família de Conrad em tudo isso e se eles não deveriam ter notado o comportamento do menino. Mas a questão mais importante que ele levanta é se Michelle teve culpa no suicídio do namorado e se ela deve ser julgada como tal.

Sendo um caso extremamente incomum e sem precedentes na história, é difícil até saber como proceder diante dele. Conrad era um rapaz deprimido que se matou, mas Michelle incentivou esse comportamento até os últimos minutos. O documentário se pergunta se Conrad teria se suicidado caso Michelle não tivesse mandado a mensagem; e se Michelle era tão capaz de influenciar seu namorado a ponto dele se matar.

Michelle durante o julgamento
Michelle durante o julgamento

Influência da mídia

Depois de apresentar os fatos e as provas, Eu Te Amo, Agora Morra entra mais a fundo na vida e na mente de Michelle. Acompanhamos entrevistas e os depoimentos de meninas que estudaram com ela e que a conheciam. Todas elas relatam que Michelle era uma adolescente extremamente solitária, que não tinha amigos verdadeiros e que costumava contar mentiras.

O filme também analisa o quanto Michelle foi influenciada pela mídia e pela ideia de ser a “namorada de luto” e assim conseguir atenção. O filme mostra que Michelle era obcecada por Glee e que foi profundamente influenciada por acontecimentos da série. A trama da quinta temporada de Glee teve que ser alterada devido a morte de Cory Monteith, que interpretava um dos protagonistas da série.

O documentário então mostra como Michelle, que já era fã da série e de Lea Michele, a atriz que interpretava a namorada de Monteith e que era namorada do ator na vida real, se sentiu contemplada por aquele drama e também quis interpretar aquele papel. No filme, vemos Michelle repetindo, em mensagens, palavra por palavra falas da personagem de Lea Michele na série, e de entrevistas da atriz, em que ela fala sobre a morte de Monteith.

O documentário Eu Te Amo Agora Morra analisa a culpa de Michelle no suicídio de Conrad
O documentário analisa a culpa de Michelle no suicídio de Conrad

Aspectos técnicos

Claro que o documentário não tem como intenção culpar Glee ou qualquer outro produto que trate de morte, suicídio e luto, mas ele demonstra como uma pessoa influenciável como Michelle pode se deslocar tanto da realidade a ponto de querer viver o seu próprio luto.

Em relação aos seus aspectos técnicos, o filme não foge muito do estilo dos documentários de crimes reais. Ele se divide entre algumas poucas entrevistas com pessoas que de alguma maneira têm relação com Michelle, ou Conrad ou com o caso, imagens das mensagens que Conrad e Michelle trocaram e imagens do julgamento.

O filme traz muita informação e passa por todos os momentos do acontecimento, o antes, o durante e o depois. Também existe uma preocupação em mostrar e analisar o que se sucedeu depois do crime e durante o julgamento.

O documentário Eu Te Amo Agora Morra é dividido em duas partes
O documentário é dividido em duas partes

Ponto de vista

Mas é importante ressaltar que Eu Te Amo, Agora Morra tem um ponto de vista, como todos os documentários têm. Ele não mostra o lado de Michelle ou de seus familiares e nem dá a palavra a ela, mas dá voz à família de Conrad.

O documentário é dividido em duas partes grandes, que poderiam classificá-lo como uma minissérie. O tempo de filme é bom porque consegue transmitir todas as informações que circundam o caso, mas também o torna um pouco cansativo.

Michelle era obcecada com a ideia de ser a namorada de luto
Michelle era obcecada com a ideia de ser a namorada de luto

O mais interessante, de fato, é o caso, que é inusitado e raro. O acontecimento nos faz questionar até onde vai a influência e o quanto se pode culpar outra pessoa pelas questões que circundam alguém.

Eu Te Amo, Agora Morra: O Caso Michelle Carter vem na onda de uma série de documentários sobre crimes reais, mas tem como vantagem o crime que retrata.

Eu Te Amo, Agora Morra - O Caso de Michelle Carter

Nome Original: I Love You, Now Die: The Commonwealth Vs. Michelle Carter
Direção: Erin Lee Carr
Elenco: Jesse Barron, Emily Bazelon, Sam Boardman
Gênero: Documentário
Produtora: HBO Documentary
Distribuidora: HBO
Ano de Lançamento: 2019
Tags

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar