Jules e Jim, de Henri-Pierre Roché

Uma história de amor autobiográfica

Assim que chega a Paris, Jules conhece Jim e os dois se tornam inseparáveis, mas quando Kate entra na vida deles, os dois rapazes se apaixonam por ela.

Kate se casa com Jules, e a guerra separa os dois amigos, mas quando eles se reencontram, Kate e Jim começam um relacionamento e uma dinâmica se estabelece entre os três.

Triângulo amoroso

O principal mote do livro é o triângulo amoroso entre os três personagens principais. Jules e Jim são amigos de longa data quando Kate aparece na vida deles. Os dois se sentem automaticamente atraídos por ela e isso fica claro para o leitor, e também para os personagens. Kate também está ciente do interesse deles, mas não parece saber por quem ela se interessa mais.

Jules e Jim

Kate acaba se casando com Jules, mas nunca fica claro se ela está completamente satisfeita com a sua escolha, mesmo porque depois de um tempo Kate e Jim começam um caso que é de conhecimento de Jules e os três passam a viver uma espécie de relação a três, onde Kate se relaciona com Jules e Jim, e os dois se mantém amigos.

Os três personagens vivem essa relação a três, embora nem todos os participantes se relacionem romanticamente, mesmo que seja possível pensar que a amizade entre os dois homens seja tão ou até mais intensa que um relacionamento romântico, tanto que em muitos momentos é difícil determinar se eles se mantêm nessa relação por Kate ou por eles próprios.

A história certamente é moderna e atual, ainda mais quando lembramos que o livro foi publicado em 1953.

O romance narra uma história moderna, especialmente para a época em que foi escrito
O romance narra uma história moderna, especialmente para a época em que foi escrito

Inspirado em uma história real

Outro ponto interessante de Jules e Jim é o fato de que a história foi inspirada na vida do próprio autor, Henri-Pierre Roché. Jules e Jim fala da amizade de Roché com o escritor Franz Hessel, e sua paixão pela esposa de Hessel, a tradutora Helen Grund.

A história real é praticamente idêntica a que o autor apresenta no livro: Roché conhece Hessel em 1906 e eles se conectam através do gosto dos dois por literatura, pintura e, eventualmente, mulheres. Mais tarde, os dois conhecem Grund e, em 1913, ela se casa com Hessel. Grund e Roché começam um caso em 1920, e Hessel sabe do relacionamento e aprova.

O próprio Roché achou que a história dos três era interessante e que eles deveriam colocá-la no papel, mas nem Hessel, nem Grund estavam dispostos a isso, e o autor fez isso sozinho depois de um tempo. Se a trama de Jules e Jim já soava moderna como uma ficção publicada em 1953, saber que na realidade, Jules e Jim é um livro autobiográfico sobre uma história que aconteceu nos anos 1900, torna tudo mais interessante.

A história de Jules e Jim é inspirada em fatos reais
A história é inspirada em fatos reais

Jules e Jim na mídia

A história é mais conhecida pelo filme que foi inspirado no livro do que por sua obra original. “Jules e Jim – Uma Mulher para Dois“, 1962, é dirigido por François Truffaut e estrelado por Jeanne Moreau, Oskar Werner e Henri Serre.

O filme é bem fiel à obra, e é sempre citado quando o assunto são filmes da Nouvelle Vague, além de ser considerado um dos melhores filmes de Truffaut.

Jules e Jim é um romance, ainda que diferente, que narra não só uma história de amor romântico, como também de amor fraterno e se questiona qual deles é mais forte.

Nome Original: Jules e Jim
Autor: Henri-Pierre Roché
Editora: Zahar
Gênero: Romance
Ano: 1953
Número de Páginas: 242

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar