Musicais: A Noviça Rebelde, 1965

No final da década de 1930, na Áustria, quando o pesadelo nazista estava prestes a se instaurar no país, uma noviça (Julie Andrews) que vive em um convento mas não consegue seguir as rígidas normas de conduta das religiosas, vai trabalhar como governanta na casa do capitão Von Trapp (Christopher Plummer), que tem sete filhos, viúvo e os educa como se fizessem parte de um regimento. Sua chegada modifica drasticamente o padrão da família, trazendo alegria novamente ao lar da família Von Trapp e conquistando o carinho e o respeito das crianças. Mas ela termina se apaixonando pelo capitão, que está comprometido com uma rica baronesa.

Fonte: http://www.adorocinema.com/filmes/filme-238/

 

A Noviça Rebelde chegou aos palcos em 1959. A história é livremente inspirada no livro de memórias The Story Of The Trapp Family Singers, escrito por Maria Von Trapp. A peça foi adaptada para o cinema em 1965.

A trama de A Noviça Rebelde é centrada na jovem Maria (Julie Andrews), uma noviça que não parece ter vocação nenhuma para a vida de freira. Um dia, a madre superiora a manda para ser babá na casa do Capitão Von Trapp (Christopher Plummer), um viúvo rigoroso que cria seus sete filhos com mão de ferro, fazendo as crianças baterem continência, usarem uniforme e não poderem nem cantar na casa. Também é costume das crianças tratar mal todas as babás que por lá aparecem até que as moças desistam do trabalho.

Mesmo que as crianças resistam à chegada de Maria, ela logo os conquista, pois permite que as crianças brinquem, cobre o romance de Liesel (Charmian Carr), a filha mais velha com um jovem soldado (Daniel Truhitte) e os ensina a cantar.

Julie Andrews no seu papel mais famoso.

A Noviça Rebelde é basicamente uma história de amor e pode muito facilmente ser assistido com esses olhos, mas por trás disso, existe um plano de fundo extremamente interessante. O Capitão Von Trapp é um homem rígido que cuida dos sete filhos e não permite que eles se divirtam, justamente porque está lidando com a morte ainda recente de sua esposa, que costumava gostar de cantar. A partir do momento em que o capitão entra em contato não só com Maria e a alegria que ela traz à casa e aos seus filhos, mas também com a música, ele se torna mais relaxado e mais divertido. A música de abertura do filme fala “The hills are alive with the sound of music”, que descreve perfeitamente a mudança de comportamento do Capitão. O musical fala sobre o poder da música.

O mesmo acontece com as crianças, que não aceitam nenhuma babá na casa, justamente porque não conseguem suportar a ideia ter outra pessoa no lugar que antes pertenceu à mãe deles. Portanto, o filme fala também sobre luto e como devemos dar tempo ao tempo e que mesmo que tenhamos perdido pessoas que amamos, a vida continua.

O plano de fundo mais interessante, no entanto, é o contexto histórico onde o filme se passa. A Noviça Rebelde começa um pouco antes do estouro da segunda guerra mundial e, durante o filme, nós vamos vendo diversos indícios e detalhes que nos mostram o que está prestes a acontecer. O filme é relativamente alegre e cheio de músicas divertidas, mas se olhado por outra perspectiva, ele nos mostra uma realidade um pouco mais cruel.

O Capitão Von Trapp, Maria e as crianças Von Trapp.

A Noviça Rebelde também fala sobre família e nos apresenta uma das mais numerosas (e mais famosas) do cinema: os Von Trapp. Também é legal lembrar que os Von Trapp de fato existiram, o que torna a história toda ainda mais interessante.

O filme é repleto de músicas divertidas e emocionantes, como “Maria”, “Sixteen Going On Seventeen”, “The Lonely Goatherd”, “Edelweiss” e muitas outras. Aliás, eu acredito que A Noviça Rebelde é um dos musicais da Broadway mais famosos por aqui e que as músicas são bem conhecidas.

O figurino também é lindo, o filme se passa no final dos anos 30 e começo dos 40, o que as roupas demonstram com perfeição. Além disso, a própria Maria costura roupas para as crianças, que são mais bonitas do que muitas roupas que vemos por aí.

O elenco da montagem Brasileira de 2018.

O elenco é encabeçado por Julie Andrews no seu papel mais famoso e mais característico e Christopher Plummer. As crianças fizeram poucas coisas depois, mas uma delas, Angela Cartwright, que interpreta Brigitta Von Trapp esteve no elenco de Perdidos no Espaço.

O filme foi indicado a 10 Oscars, mas levou para casa só 5, entre eles o de melhor filme, melhor diretor e melhor trilha sonora.

Aqui no Brasil, A Noviça Rebelde esteve em cartaz em 2008, com Kiara Sasso, como Maria e Herson Capri como Capitão Von Trapp e coincidentemente, está em cartaz novamente no Teatro Renault, dessa vez com Malu Rodrigues (que interpretou Louisa Von Trapp na montagem de 2008) como Maria, Gabriel Braga Nunes como Capitão Von Trapp e Larissa Manoela (que interpretou Gretl Von Trapp, a filha mais nova do Capitão em 2008) como Liesel.

Tags

Fernanda Cavalcanti

Formada em cinema, apaixonada por literatura, divide seu tempo livre entre ler, escrever e dançar. Gosta especialmente de terror, mas lê/assiste de tudo. Também escreve para o blog Além da Toca do Coelho.

Matérias Relacionadas

Close