O Beijo no Asfalto, nova adaptação de Nelson Rodrigues

Em O Beijo no Asfalto, um homem é atropelado em pleno Rio de Janeiro. Arandir (Lázaro Ramos) rapidamente o consola e lhe dá um beijo na boca. O sogro de Arandir, Aprígio (Stênio Garcia), que presencia a cena, logo conta para a esposa de Arandir, Selminha (Débora Falabella). Ao mesmo tempo que Amado (Otávio Muller) não só escreve sobre o ocorrido, mas também repassa a informação para o delegado Cunha (Augusto Madeira), transformando o acontecimento em uma enorme bola de neve.

O Beijo no Asfalto é a segunda adaptação do texto de Nelson Rodrigues para o cinema. A outra versão é de 1981. Este marca a estreia de Murilo Benício como diretor.

O teatro de Nelson Rodrigues

O Beijo no Asfalto é inspirado na peça de Nelson Rodrigues, um dos maiores dramaturgos do Brasil. A escolha de adaptar uma obra de Nelson vem do próprio Murilo. Ele sente que o autor não é tão conhecido como deveria. O texto original é marcado pela teatralidade característica das obras do autor e o diferencial desse filme para a outra versão de O Beijo no Asfalto, ou para qualquer adaptação de Nelson Rodrigues é que esse filme não tenta transpor tudo para a linguagem cinematográfica, muito pelo contrário, ele usa disso.

Lázaro Ramos como Arandir
Lázaro Ramos como Arandir

O longa se divide entre cenas que mostram a ação da peça acontecendo e cenas que mostram os atores lendo e estudando o texto. Por isso a linguagem é muito próxima da linguagem teatral.

O Beijo no Asfalto não retrata só a história que Nelson escreveu. Mas também o processo do ator para criar seu personagem. Acompanhamos leituras de texto, ensaios e até algumas das cenas dos atores vestindo seus figurinos. O que dá ainda mais a impressão de que estamos assistindo a uma peça é o fato do filme ter sido filmado em um teatro. Embora isso só fique claro para o público em uma cena.

Uma forma diferente de contar uma história

Além disso, o espectador consegue acompanhar cenas dos atores conversando entre si. Inclusive assuntos que não são necessariamente ligados à peça. Os momentos mais interessantes são de Fernanda Montenegro. Ela conta sobre a criação da peça (Nelson escreveu O Beijo no Asfalto como encomenda para a companhia teatral de Fernanda), suas primeiras encenações e a reação do público quando assistiu a uma obra tão polêmica pela primeira vez.

O filme é todo filmado em preto e branco
O filme é todo filmado em preto e branco

O filme é bem fiel ao texto original e traz todos os temas recorrentes nas obras de Nelson, como sexualidade, amor, traição e obsessão.

A modernidade do texto

O Beijo no Asfalto foi escrito em 1960, e por isso muitas das coisas sobre as quais o texto fala já não são mais tabus. Como por exemplo, o próprio beijo no asfalto, que revira a trama inteira, mas que se escrito nos dias de hoje, não causaria tanta comoção. Mas, mesmo assim, a peça se mantém extremamente moderna.

Assim que Arandir beija o atropelado, a notícia corre pela cidade, sai no jornal e passa a ser aumentada a cada minuto. Então, um simples beijo no meio da rua, de repente vira um possível caso de amor entre os dois homens. Então, diversas pessoas passam a jurar que viram o atropelado na casa de Arandir e vice-versa. A história se torna cada vez mais absurda, mas cada vez mais real. Já que o jornal também passa a endossar os boatos, o que fala diretamente com a nossa era de internet e de disseminação de notícias, muitas vezes falsas e absurdas, que são compartilhadas sem nenhuma checagem de fatos.

O filme mostra partes do processo do autor
O filme mostra partes do processo do autor

É interessante ver um texto tão antigo, mas que seja tão próximo dos dias de hoje. Embora grande parte dos textos de Nelson seja extremamente moderna, O Beijo no Asfalto tem uma grande capacidade de surpreender o público.

O elenco de O Beijo no Asfalto

O elenco é repleto de grandes nomes, como Lázaro Ramos, Debora Falabella, Otávio Muller, Stênio Garcia e Augusto Madeira. E todos estão tão bem e tão seguros em seus personagens que é até difícil dizer quem está melhor. Mas o destaque, como sempre, é de Fernanda Montenegro, que faz ótimas interpretações sobre o texto e fala de toda a sua expêriencia no oficio; e da estreante Luiza Tiso, que parece outra pessoa em suas cenas como Dália.

Os atores lendo o texto de Nelson Rodrigues
Os atores lendo o texto de Nelson Rodrigues

A ideia de mostrar o processo desses atores, sem dúvida nenhuma, ajuda o filme, já que vemos todo o trabalho que eles tiveram para chegar no estado em que estão. Essa também é uma ótima forma de mostrar como de fato é o trabalho de um ator. Tanto para quem quer trabalhar na área, quanto para quem não conhece nada sobre o ramo.

Embora escrito há muito tempo, O Beijo no Asfalto fala diretamente com a sociedade atual e ainda nos mostra o incrível trabalho dos atores. O filme estreia no dia 6 de dezembro

Gosta de filmes nacionais?

O Beijo no Asfalto

Nome Original: O Beijo no Asfalto
Elenco: Fernanda Montenegro, Lázaro Ramos, Débora Falabella, Augusto Madeira, Otávio Müller, Luiza Tiso, Amir Hadad, Stênio Garcia, Raquel Fabri, Marcelo Flores e Arlindo Lopes
Direção: Murilo Benício
Gênero: Drama
Produtora: República Pureza Filmes
Distribuidora: ArtHouse

Fernanda Cavalcanti

Formada em cinema, apaixonada por literatura, divide seu tempo livre entre ler, escrever e dançar. Gosta especialmente de terror, mas lê/assiste de tudo. Também escreve para o blog Além da Toca do Coelho.

Matérias Relacionadas

Close