O Velho e o Mar, de Ernest Hemingway

O embate entre o homem e a natureza

O Velho e o Mar é um clássico que traz a história de Santiago, um velho pescador que não pesca nada há três meses e que já está com fama de azarado na sua cidade. Mas ele não se dá por vencido e mesmo sem a ajuda de ninguém, resolve pescar. Santiago então se depara com um peixe enorme, que ele acredita ser um marlim, e resolve pescá-lo. Começa então uma luta entre o homem e o peixe.

O livro pode começar como uma história sobre seres humanos, mas que aborda questões da natureza. Santiago é um pescador experiente, que está acostumado com o mar, mas ele também é descrito como velho e cansado, o que dificulta a missão que tem pela frente. Assim que Santiago se coloca no mar, ele está longe da humanidade e, portanto, a mercê da natureza. Ele encontra uma série de problemas pela frente: o mar bravo, o tempo e claro, os animais.

Ernest Hemingway, autor de O Velho e o Mar
Ernest Hemingway

O velho e o mar

Não demora muito para que Santiago se depare com seu grande inimigo, o enorme marlim. Em O Velho e o Mar, os elementos da natureza são personagens por si só e o mais importante deles, com certeza, é o marlim. O embate entre o homem e o peixe toma proporções inimagináveis e vira uma briga pessoal, onde um depende do outro.

O leitor acompanha o livro do ponto de vista de Santiago, e por isso conhece seus pensamentos e em muitos momentos o vê conversando com o peixe. Dito assim, O Velho e o Mar parece um livro monótono, mas não é o caso. A leitura é bem dinâmica e tem bastante ação.

Cena do filme de 1958 - O Velho e o Mar
Cena do filme de 1958

A solidão

Outra questão que O Velho e Mar traz à tona é a solidão. Santiago é um homem que já é solitário, mesmo quando está em terra firme. As pessoas da cidade onde vive parecem não ligar para ele normalmente e no momento em que o livro começa, ele está proscrito por ser considerado azarado.

O único amigo de Santiago é Manolin, um adolescente que ajuda o velho na pesca. Manolin claramente se preocupa com Santiago, mas foi proibido pelos pais de sair para pescar com o velho, já que o mesmo está sendo rejeitado por toda a cidade.

Anthony Quinn como Santiago na minissérie de 1990 - O Velho e o Mar
Anthony Quinn como Santiago na minissérie de 1990

Não é de se admirar que Santiago acabe sozinho no meio do mar, tentando a qualquer custo provar o seu valor. Também é por isso que ele acaba se apegando ao peixe. O marlim é literalmente o único amigo de Santiago, mesmo que seja seu inimigo.

Em nenhum momento ficamos sabendo qual é a idade exata desse “velho”, mas levando em conta que o livro foi publicado em 1952, supõe-se que Santiago seja um homem velho para a época, o que nos dias de hoje, não é mais considerado velho. No entanto, é através desse homem que Hemingway fala sobre a solidão que invariavelmente acompanha as pessoas idosas.

Cena da animação de 1999
Cena da animação de 1999

Santiago não tem muitos amigos na sua cidade natal, e sequer é levado a sério. Sua jornada em busca de um peixe, que automaticamente o expõe a uma série de perigos, é uma maneira de provar para todos que ele não é um homem inútil, ainda. Claro que a maioria dos idosos não se encontra na mesma situação que Santiago, mas muitos deles têm sentimentos parecidos com o do personagem.

O Velho e o Mar na mídia

Este é, provavelmente, o livro mais famoso de Hemingway, então é natural que tenha sido adaptado para outros meios. Em 1958, O Velho e o Mar foi adaptado para o cinema pela primeira vez. Em 1990, o livro inspirou uma minissérie, estrelada por Anthony Quinn e em 1999 virou um curta de animação, que é excepcionalmente bonito. O Velho e o Mar também inspirou o filme Shal, de 2012, que narra a história de um pastor de ovelhas, que tenta proteger seu rebanho de uma alcateia.

O filme Shal é ligeiramente inspirado no livro
O filme Shal é ligeiramente inspirado no livro

Como O Velho e o Mar é um livro antigo considerado um clássico, existe essa ideia de que sua leitura é chata, ou até mesmo difícil, o que não é verdade de maneira nenhuma. O livro é curto, e a prosa de Hemingway é maravilhosa, o que facilita muito a leitura e a torna bem rápida.

A sinopse também pode dar a impressão de que o livro é parado e sem muita história, o que também não é verdade. Embora a trama se passe só dentro do barco, tem muita ação e o leitor fica preso o tempo todo. O Velho e o Mar é um clássico da literatura que ainda fala com os dias de hoje, cuja leitura é rápida e a escrita é uma obra de arte.

Nome Original: O Velho e o Mar
Autor: Ernest Hemingway
Editora: Bertrand Brasil
Gênero: Drama
Ano: 1952
Número de Páginas: 126

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar
Fechar