O Oceano no Fim do Caminho, de Neil Gaiman

A infância pode ser assustadora

Em O Oceano no Fim do Caminho, um homem (que nunca revela seu nome) retorna à sua cidade natal para um enterro. Ali então, ele começa a lembrar de acontecimentos de sua infância, como uma mulher sinistra que foi sua babá e uma garotinha chamada Lettie, que morava na vizinhança.

Neil Gaiman disse posteriormente que escreveu O Oceano no Fim do Caminho para a sua esposa, Amanda Palmer, que não é uma grande fã de fantasia. É possível dizer que, se comparado com outros trabalhos do autor, O Oceano no Fim do Caminho tem aspectos mais próximos da realidade. Mas isso não quer dizer que o livro não passe pelo fantástico.

Uma fantasia aterrorizante

Este é, predominantemente, um livro de fantasia. O livro pode começar de uma maneira relativamente realista, com o seu protagonista voltando à cidade natal para um enterro. Mas a partir do momento em que ele começa a relembrar sua infância, vários elementos fantásticos são colocados no texto.

O homem se lembra, por exemplo, de uma presença maligna que entrou em sua casa através de um buraco que fez no seu pé. No entanto, O Oceano no Fim do Caminho também tem um pezinho no terror, o que poderia até encaixá-lo no gênero. Afinal, não existe terror sem fantasia, certo? Quando Ursula Minkton, a babá do protagonista, aparece na história, tudo começa a ficar um pouco mais sinistro. Dessa forma o leitor percebe que esta não é uma fantasia voltada para o público infanto-juvenil.

Neil Gaiman, autor de O Oceano no fim do Caminho
Neil Gaiman

Infância

O grande tema do livro é a infância, como é comum em muitos livros de fantasia ou terror. Por acompanharmos o personagem principal já adulto, não é possível dizer que o livro é um romance de formação. Mas fica claro que o período que o narrador retrata sobre o passado foi determinante para o protagonista.

Outro ponto interessante disso é que, apesar de terem sido tempos intensos, em que sua vida esteve em risco, o protagonista não se lembra disso até seu retorno à sua cidade natal. Certamente isso pode ser interpretado como memórias suprimidas, mas também pode ser interpretado como lembranças de infância um tanto fantasiosas.

Gailman e a esposa, Amanda Palmer
Gailman e a esposa, Amanda Palmer

Quando começamos a ler sobre a infância do protagonista, nos deparamos com diversos eventos fantasiosos e até sobrenaturais, que para ele aconteceram exatamente daquela maneira. Mas que criança não fantasia em cima dos eventos de sua própria vida?

Traumas

Ursula Minkton chega à casa da família para cuidar das crianças e o protagonista não gosta dela desde a primeira vez em que a vê. Ele acredita que ela seja uma criatura maligna que se infiltrou em sua casa. Por outro lado, a irmã do protagonista gosta de Ursula e o pai dele é, literalmente, seduzido por ela.

Em uma das cenas o protagonista vê seu pai beijando Ursula, pois acredita que os filhos estão dormindo. Que criança não ia considerar a amante do pai uma bruxa ou criatura maligna? O que Gailman faz é nos apresentar a fatos reais, que soam plausíveis, misturados a fatos sobrenaturais. Tudo isso sob o ponto de vista de uma criança.

Se você escolhe acreditar na versão fantástica ou na versão realista (ou se ainda acha que as duas versões são possíveis) depende unicamente de você e esse é um dos pontos mais legais do livro.

Gailman quando criança, com a família
Gailman quando criança, com a família

Influências de O Oceano no Fim do Caminho

Um dos motivos pelo qual Gailman considera esse livro menos fantástico do que outras obras suas é o fato de que algumas cenas foram inspiradas por acontecimentos reais de sua vida. Como por exemplo, o pontapé inicial para a história. Um homem rouba o carro do pai do protagonista e depois se mata dentro do carro. Isso, de fato, aconteceu com o pai de Gailman, quando o escritor era criança.

Ele também admitiu que o personagem principal é inspirado nele, que era um menino mais retraído. Ele preferia passar o seu tempo lendo do que com outros garotos.

Ainda assim, O Oceano no Fim do Caminho tem aspectos que já são quase clichês do gênero do terror. O protagonista que retorna à cidade natal depois de muito tempo e que precisa resolver alguma questão do passado é um deles. A Coisa, de Stephen King é em parte baseado nisso, assim como Sacramento, de Clive Barker, onde um homem adulto precisa se reencontrar com duas entidades que conheceu ainda criança.

Uma das edições de O Oceano no Fim do Caminho
Uma das edições de O Oceano no Fim do Caminho

Leia sobre outro livro de Neil Gaiman aqui

Nada disso atrapalha o desempenho final da obra, que tem passagens fantásticas e assustadoras, mas também sabe dosar os momentos emocionantes e bonitos. O Oceano no Fim do Caminho, na verdade, é um conto sobre crescer e se tornar adulto.

Existe um boato de que este livro será transformado em filme, e que será dirigido por Joe Wright (de Orgulho e Preconceito e Desejo e Reparação). No entanto, até hoje o filme não saiu do papel.

Independentemente disso, O Oceano no Fim do Caminho é uma grande obra de Neil Gaiman, que fala sobre nostalgia e infância, mas que também pode te deixar acordado à noite.

Nome Original: O Oceano no Fim do Caminho
Autor: Neil Gaiman
Editora: Intrínseca
Gênero: Fantasia, terror
Ano: 2013
Número de Páginas: 180

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar
Fechar