Supernatural – 14ª temporada, reduzir, reutilizar, reciclar

Penúltimo ano da série recicla o máximo que pode e se foca nos momentos emotivos

Depois que Lúcifer foi finalmente destruído na temporada anterior, o Miguel do outro universo aproveitou a oportunidade para tomar o corpo de Dean. Nós já vimos isso antes (com o próprio Dean, e também com Sam e Castiel), o que gera novos conflitos na primeira parte de Supernatural – 14ª temporada, uma das séries mais divertidas e descompromissadas da cultura pop mundial.

É chover no molhado repetir que a produção perdeu tudo o que foi depois da sexta temporada. Mas mesmo nesses últimos anos, Supernatural forneceu ótimos momentos. Claro, nada se iguala às primeiras cinco temporadas, mas mesmo assim é o tipo de dramaturgia-gibi; é feita de fãs para fãs, o que já se assume como é, ora meio galhofa e cretina, ora minimamente relevante.

É claro que insistir em personagens que já morreram (mas voltaram com versões de outro tempo ou de outro universo) se provou um fracasso. O Bobby alternativo nem de longe tem o charme do original, por isso mesmo é relegado de escanteio do começo ao fim. Então, por que trazê-lo de volta, se não sabem como utilizá-lo? O mesmo dá para se dizer sobre Charlie, ainda mais ignorada. Mary Winchester sempre foi uma personagem desinteressante, mas serve para um gancho poderoso próximo ao fim, pelo menos.

Supernatural - 14ª temporada

Supernatural – 14ª temporada

Jack, no meio disso tudo, continua sendo então uma das figuras centrais com melhor fundamento e muito do que acontece nessa temporada gira em torno dele. Sendo um nefilim, meio humano meio arcanjo, filho de Lúcifer, neto de Deus, ele é praticamente uma figura singular (tal qual a Escuridão, não tem nada igual e representa um poder imenso, inclusive diante do próprio Criador).

A série sofre com a necessidade de cumprir os 20 episódios sem ter muita história para contar. Por isso, faz o que pode com o que tem em mãos para empurrar algumas coisas com a barriga, mas Jack de fato salva parte da narrativa. Ora doente à beira da morte por ter perdido os poderes, os recupera, mas perde a alma e isso o transforma num ser um pouco diferente, mas bastante poderoso e toda ação tem uma reação e uma consequência, levando sempre uma coisa à outra, como é típica em Supernatural.

Mesmo com um monstro da semana ou outro trazendo aquele clima nostálgico para episódios mais leves e divertidos para os fãs, a maior parte da trama se foca em dramalhões ainda mais pesados do que antes. Além de tudo o que acontece com Jack (incluindo seu desfecho), tem também a participação especial e rápida de John Winchester (que certamente vai levar qualquer um às lágrimas) e os dilemas cada vez mais suicidas de Dean (que cada temporada que passa parece cada vez mais disposto a se sacrificar pela humanidade, o que pode ser um indicativo de seu final na última temporada) – dessa vez, em dois momentos inclusive, veja só.

Supernatural - 14ª temporada

Reciclagem de roteiro

Até mesmo Castiel e seu triste acordo com o Vazio (outro indicativo de resolução para o ano final?). Lembrando que os produtores já haviam prometido que a 15ª temporada não agradaria todos. No mais, o roteiro evidencia seu desgaste, sendo incapaz de introduzir novas ideias, tendo que reciclar momentos de outras temporadas para sobreviver por aqui. Nick, a casca de Lúcifer, até ganha um curioso arco próprio de serial killer e, em dada situação, fala abertamente para um personagem e para o público: “ninguém dura muito tempo morto, você sabe disso, sempre tem um jeito de voltar”. Pois é.

Por fim, a produção pareceu enxugar o elenco devidamente (podiam ter rodado com o Bobby alternativo também, ninguém sentiria falta, mas enfim), trazendo Chuck, ou Deus, de volta, para o último e esperado ano dos irmãos Winchester, que agora terão de lidar com um Criador mais a moda do Velho Testamento. E para o bem ou para o mal, isso promete gratas e emocionantes surpresas, ainda mais depois de um penúltimo ano bastante morno.

Supernatural - 14ª temporada

Nome Original: Supernatural
Elenco: Jared Padalecki, Jensen Ackles, Jim Beaver
Gênero: Drama, Fantasia, Horror
Produtora: Kripke Enterprises, Warner Bros. Television
Disponível: Warner

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar
Fechar