The Wonders: O Sonho Não Acabou, 1996

Uma comédia musical dirigida por Tom Hanks

The Wonders: O Sonho Não Acabou é um filme de 1996, escrito e dirigido por Tom Hanks. Nele, Guy (Tom Everett Scott) é convidado pelos amigos Jimmy Mattingly (Johnathon Schaech) e Lenny Haise (Steve Zahn) para substituir o baterista (Giovanni Ribisi) da banda deles em um show. No entanto, na hora em que a banda começa a tocar sua música de trabalho, que é originalmente uma balada, Guy aumenta o ritmo da música.

Mesmo desagradando Jimmy, o vocalista e compositor da música, a banda estoura e acaba conseguindo um contrato com uma gravadora e um empresário, Mr. White (Tom Hanks). Não demora muito para que eles comecem a fazer sucesso em todo o país.

Os Wonders
Os Wonders

A Invasão Britânica

Ao contrário do que muita gente pensa, The Wonders não é uma cinebiografia e a banda nunca existiu de verdade. Por outro lado, o filme tem algum embasamento histórico. A trama se passa em 1964, logo depois da Invasão Britânica, que consistiu em uma enorme quantidade de bandas britânicas que começou a fazer sucesso fora do Reino Unido. Eles se tornaram muito populares nos Estados Unidos, que até aquele momento era um território quase impossível de ser explorado se você não fosse um artista norte-americano.

A banda mais famosa da Invasão Britânica é certamente Os Beatles. Eles também foram responsáveis por abrir o caminho em territórios americanos para outras bandas inglesas, como os Rolling Stones, o The Who, Small Faces, The Yardbirds, The Kinks, The Animals e muitas outras.

Ethan Embry, Steve Zahn, Johnathon Schaech e Tom Everett Scott em cena do filme The Wonders
Ethan Embry, Steve Zahn, Johnathon Schaech e Tom Everett Scott em cena do filme

Dentro da história do filme, Os Wonders seriam uma resposta americana para as bandas inglesas que tanto prosperaram na década de 60. Os Estados Unidos, de fato, responderam à Invasão Britânica. Mais especificamente aos Beatles. Eles criaram os Monkees, uma banda que deveria apenas estrelar um programa de televisão, mas que acabou fazendo um certo sucesso com a música I’m A Believer.

Os Beatles

Quando pensamos nesse contexto, é fácil entender e perceber as semelhanças que existem entre os Wonders e os Beatles. Tom Hanks, que escreveu o roteiro do filme, disse que a ideia para a trama apareceu depois que ele pensou melhor sobre um acontecimento importante na história dos Beatles. A substituição de Pete Best, o baterista da banda, nos primeiros anos, por Ringo Starr, o baterista “oficial”. Logo depois ocorre o sucesso dos Beatles.

As coincidências então, começam aí. As duas bandas passam a fazer sucesso quando trocam seus bateristas. Mais tarde, os Wonders, assim como os Beatles, perdem seu baixista (Ethan Embry). No caso dos Beatles, de maneira bem mais trágica, já que Stuart Stucliffe, o primeiro baixista da banda, morreu em 1962.

Os Wonders seriam uma resposta americana à Invasão Britânica
Os Wonders seriam uma resposta americana à Invasão Britânica

A grafia original do nome da banda era The Oneders, embora a pronúncia já fosse “The Wonders”, com o trocadilho proposital. Assim como os Beatles, que juntaram a palavra Beetle (besouro) com beat (batida).

E tem mais!

Quando os Wonders se apresentam pela primeira vez na televisão, a filmagem que acompanhamos é extremamente parecida com a da primeira apresentação dos Beatles no programa Ed Sullivan Show. Inclusive as legendas que identificam cada Wonder e cada Beatle. Quando Jimmy aparece, vemos um aviso “cuidado garotas, ele é noivo”. Uma clara ligação com a legenda que se referia a John Lennon no mesmo programa. “Cuidado garotas, ele é casado”.

Faye (Liv Tyler), a namorada de Jimmy, acompanha a banda em turnê. Entretanto, em determinado momento ela é confundida com uma fã e impedida de entrar no carro da banda. Isso de fato aconteceu com Cynthia Lennon, primeira esposa de John Lennon.

As referências aos Beatles são óbvias
As referências aos Beatles são óbvias

A referência mais clara, no entanto, é a própria figura do empresário, interpretado por Tom Hanks. O ator se parece muito fisicamente com Brian Epstein, o empresário dos Beatles. Infelizmente, The Wonders: O Sonho Não Acabou não entra tão a fundo na vida pessoal do empresário e não cobre a vida de Epstein, que era certamente uma figura interessante.

Aspectos técnicos de The Wonders: O Sonho Não Acabou

O filme é uma comédia musical divertida que funciona bem e não almeja ser muito mais que isso. Não existe nenhuma reflexão mais profunda sobre o sucesso meteórico da banda. Nem sobre como a fama e o ego podem mudar as pessoas, embora isso esteja no subtexto do longa.

The Wonders: O Sonho Não Acabou é um filme divertido, com uma boa produção. O longa tem muitas cenas engraçadas, como a que a banda ouve sua própria música no rádio pela primeira vez. E, é claro, existe uma preocupação bem grande em relação à fidelidade à época em que o filme se passa.

A banda escuta sua música no rádio pela primeira vez
A banda escuta sua música no rádio pela primeira vez

A ambientação nos remete diretamente aos anos 60. O figurino não é glamouroso, como muitos figurinos que retratam essa época, o que dá ao filme um ar de realidade, afinal, ninguém anda arrumado em todos os momentos da vida, certo? Já as roupas que a personagem de Liv Tyler usa são muito bonitas.

O elenco

O elenco é composto de jovens atores da época, que faziam um certo sucesso. A maioria deles não fez muita coisa depois do filme, mas a produção conta não só com Liv Tyler, que tem um certo nome, mas também com uma pontinha de Charlize Theron, que mais tarde ganharia o Oscar de melhor atriz por Monster – Desejo Assassino.

Os atores estão bem nos seus personagens, que são escritos propositalmente para terem personalidades bem diferentes uma da outra, e são carismáticos, o que faz com que seja mais fácil ainda gostar do filme.

Liv Tyler como Faye em The Wonders
Liv Tyler como Faye
Trilha sonora

A trilha sonora é composta de canções originais de Tom Hanks, Adam Schlesinger, Rick Elias, Scott Rogness, Mike Piccirillo, Gary Goetzman e Howard Shore, o que com certeza aumentou a ideia de que a banda existiu de verdade.

Além das músicas que fariam parte do disco dos Wonders, o filme também tem músicas que seriam de outros artistas da época, mas que só existem dentro daquele universo. Boa parte do sucesso do filme se deve a That Thing You Do, a música mais famosa da trilha sonora, que é divertida e quase viciante. Além disso, esse é o nome original do filme.

Tom Everett Scott como Guy
Tom Everett Scott como Guy

Acesse aqui todas as resenhas sobre musicais

Fazem parte da trilha sonora Little Wild One, Dance With Me Tonight, All My Only Dreams Hold My Heart. Os números musicais acontecem sempre no palco. As músicas do filme são muito legais e é fácil ouvir a trilha sonora de uma vez só.

The Wonders: O Sonho Não Acabou pode não ter a história mais original de todas, mas é um filme divertido, que entretém e ainda deixa o público com vontade de comprar o CD fictício da banda.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar
Fechar