Animais Fantásticos: Os Crimes de Grindelwald

O novo filme da franquia Harry Potter

Em Animais Fantásticos: Os Crimes de Grindelwald, que é a sequência de Animais Fantásticos e Onde Habitam (2016), o espectador encontra mais uma vez com Newt Scamander (Eddie Redmayne). Dessa vez em Londres e sem poder deixar o país. Então, ele é convocado por Alvo Dumbledore (Jude Law) para lutar contra Grindelwald (Johnny Depp), um bruxo das trevas, extremamente perigoso que escapou das mãos do congresso de Magia. Grindelwald prega ideais de pureza racial e defende a completa separação de bruxos e trouxas (os não-bruxos). Surpreendentemente, ele ganha cada vez mais seguidores.

Para isso, Newt precisa se reencontrar com seus amigos Queenie (Alison Sudol), Jacob (Dan Fogler) eTina (Katherine Waterston).

Universo Harry Potter

Animais Fantásticos: Os Crimes de Grindelwald tem muitos aspectos do primeiro filme. Assim como vários personagens e as criaturas incríveis que os dois filmes apresentam. Mas a sensação que se tem quando se assiste a esse segundo filme é que tudo está mais intensificado.

Jude Law e Eddie Redmayne em cena do filme
Jude Law e Eddie Redmayne em cena do filme

Então, se no primeiro filme o espectador viu criaturas fofinhas que Newt dominava com certa facilidade, nesse nos deparamos com criaturas um tanto quanto perigosas, que não são tão amigáveis. Ou que em alguns casos não são nada amigáveis. Tudo isso torna o filme ainda mais empolgante, já que é ótimo ver nas telas do cinema alguns dos animais que antes só figuravam no livro Animais Fantásticos e Onde Habitam (2001).

A trama do filme também parece seguir a mesma lógica que os animais. Em Animais Fantásticos e Onde Habitam fomos apresentados a Newt, um personagem relativamente divertido. De maneira leve, com um filme que tem muito mais momentos engraçados do que de tensão. Não é o que acontece na continuação. Embora Newt mantenha muito do seu humor, o tom do filme é mais pesado. O que faz muito sentido, já que é a primeira vez que conhecemos de fato o vilão dessa nova saga. E o tema do filme gira em torno do poder que ele e seu discurso eugenista exercem sobre a população de bruxos.

Mas não é só com coisa nova que o filme se vende

Ele também acena com diversos personagens que fizeram parte da saga original de Harry Potter. Como por exemplo, Alvo Dumbledore, que nos livros de Harry Potter já é um senhor. Nesse filme ele é um homem de meia idade.

Leta Lestrange (Zoë Kravitz), que não aparece diretamente nos livros, mas que tem o mesmo sobrenome que alguns personagens. E claro, Nagini (Claudia Kim), que tem um papel relativamente importante na saga original e que também aparece nesse filme.

Jude Law interpreta Alvo Dumbledore
Jude Law interpreta Alvo Dumbledore

O filme também começa a explicar a complexa relação de Dumbledore com Grindelwald, que J.K. Rowling já deu a entender ter sido, em alguns aspectos, uma relação romântica. No longa, por sua vez, nada fica muito explícito. Mas a profundidade do relacionamento dos dois é deixada no ar, talvez para os próximos filmes. Ou talvez porque os roteiristas não quiseram se arriscar.

Muito mais que Harry Potter

A criatividade para juntar as duas sagas é notável, mas assim também é o esforço para tal. Muitas das coisas que aparecem nesse filme e que fazem referências a Harry Potter, são muito bem trabalhadas e extremamente interessantes. Outras, no entanto, parecem soluções de última hora, como a revelação final do passado de Credence (Ezra Miller).

No entanto, uma diferença que existe entre esse filme e a saga original de Harry Potter é que como esse filme não é baseado em nenhum livro, as explicações ficam todas para o filme e por isso, o longa é mais claro, especialmente para quem não leu a série. E também por isso, não existe nenhuma comparação que possa ser feita. Assim, é bem mais fácil agradar ao público, inclusive os fãs obcecados.

Jacob e Newt
Jacob e Newt

De qualquer maneira, é muito interessante ver personagens que já conhecemos ou dos quais já ouvimos falar em outras histórias e o filme com certeza, entrega isso muito bem.

A política no mundo dos bruxos

O filme também tem um viés um tanto quanto político, que já aparecia na saga original, mas que em Animais Fantásticos: Os Crimes de Grindelwald fica muito mais clara.

Primeiro que no filme nos deparamos com diversos órgãos públicos do mundo dos bruxos, que falam diretamente com os órgãos públicos que a gente conhece, como o ministério da magia e o congresso mágico. Além disso, o mundo bruxo está à espera de que algo aconteça, uma vez que Grindelwald reúne cada vez mais seguidores, e defende uma política que separe os bruxos dos não bruxos, que ele considera inferiores.

Claudia Kim como Nagini
Claudia Kim como Nagini

As pessoas que aparecem no filme estão se dividindo e escolhendo lados. Alguns resolvem combater as ideias de Grindelwald, enquanto outros resolvem segui-lo.

Esse tipo de ideia, de superioridade racial, não importa qual seja, já foi vista na história do mundo e inclusive, ressurge com uma certa força nos dias de hoje. Assim como a polarização extrema que está presente no mundo todo, e que o filme retrata muito bem.

Coincidência?

Grindelwald é descrito como um bruxo extremamente poderoso e também perigoso. Mas que também é muito convincente, como todos os ditadores que a história já conheceu. Ele convence pessoas boas a se juntarem a ele e aceitarem ideais absurdos. Para isso, ele também se utiliza do medo, da ideia de que se os bruxos não segregarem os trouxas, logo eles é que serão segregados.

Newt e Tina
Newt e Tina

O tema do filme, de uma maneira geral, combina muito com o mundo atual. Constantemente somos bombardeados com noticias alarmantes. De todos os lados e de diversos pontos de vista. Onde as pessoas se tornam cada vez mais individualistas e por isso, se importam cada vez menos com o que é diferente. Certamente você pode entender o preconceito contra trouxas ou contra bruxos sobre o qual o filme fala, como preconceito contra qualquer raça, sexualidade ou religião e isso torna o longa um pouco mais interessante.

O preconceito e a igualdade são assuntos que rondam toda a saga Harry Potter, uma vez que nos livros, o vilão também pregava ideais parecidos. E isso dá mais um ligamento entre as duas séries. Tudo bem que nesse aspecto, o longa não é exatamente criativo, já que o grande conflito das duas histórias gira em torno desse mesmo tema. Mas pelo menos é consistente e os personagens que aparecem nas duas sagas, como Dumbledore por exemplo, se mantém com ideais parecidos em Animais Fantásticos: Os Crimes de Grindelwald (que se passa na década de 20) e na série Harry Potter (que se passa na década de 90).

Aspectos técnicos Animais Fantásticos: Os Crimes de Grindelwald

Esta é uma grande produção. Então, é claro que os aspectos técnicos são incríveis e extremamente bem feitos. A maioria das cenas do filme tem algum tipo de efeito especial. Eles funcionam muito bem e fazem o que é mais importante em um filme como esse. Transportar o espectador para o mundo em que o filme se passa.

Katherine Waterston e Eddie Redmayne em cena do filme
Katherine Waterston e Eddie Redmayne em cena do filme

Os animais são extremamente bem feitos, assim como os efeitos referentes aos feitiços. O espectador também é presenteado com cenas lindíssimas retratando paisagens, inclusive algumas que existem de verdade.

A fotografia, por sua vez, parece seguir a mesma lógica da trama do filme e é um pouco mais escura que a do primeiro filme, dando a entender que os tempos estão um pouco mais sombrios. O figurino é lindo e é extremamente realista. Na saga original, a preocupação em retratar os figurinos referentes a década em que o livro se passa, acabou se perdendo com o tempo. Em Animais Fantásticos: Os Crimes de Grindelwald existe uma preocupação bem clara em manter as roupas, penteados e maquiagens referentes a década de 20. Mesmo porque o espectador, que já conhece a primeira saga, precisa de uma referência visual da época em que essa saga se passa.

O elenco de Animais Fantásticos: Os Crimes de Grindelwald

O elenco é grande e estelar, como acontece com frequência em grandes franquias. Do elenco do primeiro filme se mantém Alison Sudol, Dan Fogler, Katherine Waterston e Ezra Miller, além de claro, Eddie Redmayne, que consegue repetir seu personagem de maneira genial.

Zoë Kravitz como Leta Lestrange
Zoë Kravitz como Leta Lestrange

O elenco tem algumas adições como Zoë Kravitz, Callum Turner e Jude Law, muito bem escolhido e ótimo no papel de um Dumbledore mais jovem.

Johnny Depp, que interpreta Grindelwald, no entanto, não agrada tanto. Além de ter uma acusação de violência doméstica nas costas, o que deveria ser o suficiente para demiti-lo de uma franquia tão grande, ele também interpreta exatamente o mesmo personagem que vem interpretando há 20 anos.

Animais Fantásticos: Os Crimes de Grindelwald também tem um flashback, onde aparece a adolescência de Newt. Joshua Shea, que interpreta Newt mais novo, está extremamente parecido com Eddie Redmayne, tanto na aparência, quanto nos maneirismos.

O filme é relativamente longo (2h14), mas é interessante e prende o espectador. Por isso, no final, ainda fica aquela sensação de quero mais.

Ezra Miller como Credence
Ezra Miller como Credence

Animais Fantásticos: Os Crimes de Grindelwald entrega exatamente o que os fãs desejam. A história pregressa do mundo de Harry Potter. E faz isso com muitos animais incríveis, feitiços maravilhosos e uma trama bem pensada.

Animais Fantásticos: Os Crimes de Grindelwald estreia no dia 15 de novembro.

Animais Fantásticos: Os Crimes de Grindelwald

Nome Original: Fantastic Beasts: The Crimes of Grindelwald
Elenco: Eddie Redmayne, Katherine Waterston, Dan Fogler, Alison Sudol, Ezra Miller, Jude Law, Johnny Depp
Direção: David Yates
Gênero: Aventura, Família, Fantasia
Produtora: Warner Bros.
Distribuidora: Warner Bros.
Tags

Fernanda Cavalcanti

Formada em cinema, apaixonada por literatura, divide seu tempo livre entre ler, escrever e dançar. Gosta especialmente de terror, mas lê/assiste de tudo. Também escreve para o blog Além da Toca do Coelho.

Matérias Relacionadas

Close