Em Guerra – Tá rolando greve na França

Um trecho de telejornal mostrando uma revolta de trabalhadores em frente a uma fábrica. É assim que começa o filme francês Em Guerra, de Stéphane Brizé. A reportagem diz que 1100 empregados franceses de uma indústria entraram em greve. O mais incauto dos espectadores pode achar que se enganou de sessão, o projetista está exibindo o noticiário da noite ao invés do filme. É compreensível: a câmera tremida no meio da confusão, a narração em off tipicamente jornalística, um gerador de caracteres explicando a situação e até o logo da emissora são mostrados, simulando ao máximo possível uma notícia real.

E nem o fato narrado parece surpreendente, afinal, fazer greve é um dos hábitos franceses mais notórios, junto de beber vinho, morrer para arqueiros ingleses, cortar cabeças de reis e queimar carros. A França perdeu a Copa? Eles vão lá e queimam carros. A França ganhou a Copa? Eles vão lá e queimam carros. Deve ser por isso que os carros da Citroën são um lixo: cedo ou tarde alguém vai botar fogo neles mesmo.

O longa acompanha essa greve de funcionários, suas negociações com o alto escalão da firma, as tentativas de falar com os donos alemães da empresa e os conflitos internos entre os grevistas. Raramente um momento mais pessoal é mostrado, a existência desses personagens parece estar limitada a sua paralisação trabalhista.

Em Guerra

Em Guerra e o Faz-de-conta

O formato de mockumentary do filme é uma de suas características mais marcantes. Mockumentaries são obras de ficção gravadas como se fossem um documentário, com ângulos mais realistas, tremedeiras de câmera, movimentos bem óbvios, por vezes desfocando a cena, como se o câmera fosse um amador tentando seguir a história do melhor jeito possível.

É um recurso que foi amplamente abraçado pela comédia, tendo a sitcom The Office como o exemplo mais memorável – porém, com outras menções honrosas, como Parks and Recreations, ou o filme This is Spinal Tap, de 1984, considerado um marco dos mockumentaries. Alguns casos, como Borat ou I’m still here (no qual Joaquin Phoenix passou meses fingindo ter largado a carreira de ator para se dedicar ao rap) extrapolam o conceito, fazendo não-atores participarem do filme sem saber que era um mockumentary.

Um pouco disso acontece também em Em Guerra, já que a maior parte do elenco do filme não é de atores profissionais e uma passagem pelo IMDB mostra que, com a exceção do protagonista Vincent Lindon, os demais atores têm essa obra como única entrada no site.

Vincent Lindon em cena do filme

O fato de não serem atores profissionais em momento nenhum compromete a obra – talvez tenha sido uma sábia escolha proposital do diretor para reforçar a ideia de mockumentary, já que a câmera falha constantemente em travar a cena nos personagens. Isso faz do filme um dos melhores documentários falsos, além de ser um dos poucos exemplos no qual a ideia é aplicada em um drama ao invés de uma comédia.

Mas fala que é falso?

Apesar de nunca interagirem com a câmera, fica fácil esquecer que Em Guerra é uma ficção. Eu mesmo teria esquecido, se não fosse o absurdo fato dos franceses não terem se rendido aos alemães depois de 15 minutos de filme.

Isso por conta da naturalidade dos diálogos, muito bem escritos e bem entregues pelos não-atores. Até mesmo as enfadonhas reuniões de conciliação parecem ser propositalmente enfadonhas, mantendo o limite para não tornar o filme chato. Nos pouquíssimos momentos pessoais da vida dos personagens, parece haver uma respeitosa distância da câmera, como se quisesse respeitar a privacidade daquelas pessoas.

Em Guerra

Mas o principal acerto no formato é porque a vida particular daquelas pessoas não importa de verdade. Eles são trabalhadores, têm suas famílias, e estão lutando pelos direitos, e é isso que interessa ao filme. A escolha correta do que mostrar, de quanto tempo a câmera deveria permanecer em cada acontecimento e de quais momentos fazer uma passagem de tempo eficiente salvam esse filme de ser imensamente chato. As pequenas vitórias e derrotas vão se enfileirando e no final o público acaba esquecendo que pouca coisa efetivamente aconteceu no decorrer das quase duas horas de filme.

Leia aqui outras resenhas do Paulo Velho

Não que os fatos tenham todos sido irrelevantes. O desenrolar do ato final do filme é imensamente satisfatório e principalmente a forma com a qual o diretor decidiu mostrá-la é genial, mantendo a ideia lógica de um documentário factível.

Uma frase de Bertolt Brecht é exibida antes do filme: “Aquele que luta pode perder. Aquele que não luta já está derrotado”. Mas a mensagem que fica quando os créditos aparecem vai além disso. E chega a ser surpreendente que um filme com uma história tão simples e uma execução tão barata possa transmiti-la de forma tão eficiente. Portanto, não perca, nos cinemas a partir de 10 de outubro.

Em Guerra

Nome Original: En guerre
Direção: Stéphane Brizé
Elenco: Vincent Lindon, Mélanie Rover, Jacques Borderie, Guillaume Daret
Gênero: Drama
Produtora: France 3 Cinéma
Distribuidora: Supo Mungam Films
Ano de Lançamento: 2018
Tags

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar
Fechar