Histórias e Rimas – O filme – Festival In-Edit 2021

Rap é compromisso, não é viagem

Gravado entre 2009 e 2019, o documentário Histórias e Rimas, de Rodrigo Gianetto, tem sua première dia 25 de junho na Mostra Brasil do Festival In-Edit 2021. Com depoimentos de renomados nomes da cena, como Racionais MC’s, Emicida, Negra Li, Projota, Thaíde, Karol Conká, The Pharcyde, Dexter, Tássia Reis, Black Alien, GOG, entre outros, o filme faz um mergulho na intimidade desses artistas que transformam rimas autobiográficas em música. Em busca da reflexão sobre os cenários onde cresceram e se tornaram poetas urbanos, o filme mergulha nas realidades que levaram os rappers a ocupar os espaços hoje ocupados por eles.

Criado na zona Sul da capital paulistana, Rodrigo Gianetto cresceu próximo ao movimento hip hop: “Onde eu vivia os jovens escutavam samba ou rap. Eu fazia parte do movimento a partir do momento que decidi me integrar e conhecer mais das periferias próximas. Fiz amigos que me ajudaram nesse mergulho nesse universo”, comenta. “Eu cantava em grupo de rap, organizava eventos aos 15 anos no Ipiranga, na favela de Heliópolis. Ao longo dos anos, quando me tornei diretor, decidi filmar a intimidade que nenhuma reportagem de televisão teve acesso”, explica o diretor, que apresenta em seu filme a vida real desses artistas e a essência das rimas de maneira aprofundada.

Com cenas de São Paulo ao Rio de Janeiro, Los Angeles à Nova York, o diretor mergulha no universo desses artistas que refletem desde o início de suas trajetórias em como essa busca incessante por espaço, em cenários tão desiguais e estigmatizado, os fizeram ter ainda mais resiliência e vontade de aparecer para o mundo. No geral, com rimas autobiográficas, esses jovens retratados colecionam fãs e quebram barreiras sociais ao conquistar desde as periferias onde cresceram aos palcos de grandes festivais.

Histórias e Rimas

Histórias e Rimas

O filme aborda de uma forma mais franca, sem métrica ou necessidade cronológica, a vida, o cotidiano e as visões de algumas das principais figuras da cena hip hop no Brasil e no mundo. O documentário apresenta um pouco as histórias da cultura hip hop, os depoimentos sobre a trajetória dos artistas nas ruas, a representatividade que a arte tem no envolvimento de ações e de voz para o povo da periferia, uma arte que nasce e se desenvolve dentro dos guetos.

Nesse período de 10 anos das gravações do documentário, tivemos grandes mudanças significativas no contexto social e político, o que afeta diretamente nas manifestações e construções artísticas, no espaço onde esta se insere e, por que não, nas inspirações das composições.

Nem tudo é só protesto, hip hop também fala de amor, contribui para a formação do senso crítico, traz cultura e conhecimento nas rimas e molda a forma de pensar. Assim como foi moldado pelas influências do passado, é uma arte transportada em gerações cujo principal objetivo, ao meu ponto de vista, seja preservar a consciência e propor a reflexão dos conflitos do cotidiano, de violência, de preconceito, de liberdade, de amizade, de amor e de sabedoria.

Histórias e Rimas

Pontos positivos

O filme não traz de fato um roteiro, uma sequência, demonstra de certa forma o lado mais pessoal dos artistas, traz a sensação de um “rolê”, você tem a impressão que está ali, junto com eles, trocando uma ideia com os caras.

Pontos negativos

Apesar da participação de muitos dinossauros da cultura hip hop como: Rappin Hood, GOG, Sandrão, Helião, Black Alien, Ndee Naldinho, Sabotagem, Dexter, Mano Brown entre outros, eu senti a falta da presença de duas grandes figuras do cenário: Criolo doido e Mv Bill.

Além disso, não sei se não fazia parte da proposta do documentário, mas também senti falta de referência às principais influências dos caras, o que compõe o Rap e sua essência, as pedras filosofais: Tim Maia, Cassiano, Os originais do samba, Wilson Simonal, Jorge Ben, Hyldon, Tupac, Notorious, Run DMC, Sugarhill Gang e etc. Enfim, a menos que eu esteja brisando e falando besteira, eu acredito que essas seriam as bases e não poderiam ficar de fora de nada que seja relacionado a cultura Blackmusic.

Outro ponto também pouco abordado seria as Batalhas de rimas, um movimento que ganhou notoriedade e revelou grandes rimadores, grandes poetas como o Emicida, MC Marechal, Kamau, Rashid entre outros. Seria até irônico um documentário de rima não falar com ênfase das batalhas.

Histórias e Rimas

Mostra Brasil do Festival In-Edit 2021

Pra quem não conhece ou tem algum tipo de preconceito com o gênero musical e o tipo de expressão dessa arte, Histórias e Rimas é uma ótima oportunidade para ser apresentado. Pra quem é da comunidade e consome dessa cultura, também é um ótimo convite pela identidade com um gênero musical muito mais próximo da realidade e da intimidade do povo. Vale muito a pena conferir!

O filme, que estava previsto para estrear em 2020, teve o lançamento adiado por causa da crise global causada pela COVID-19. “Seria a primeira vez que os maiores artistas do rap nacional ocupariam salas comerciais de cinema. Como sempre mereceram e ainda merecem. Mas temos a honra de estrear no grande festival que contempla produções dedicadas à música, é uma honra”, comenta Rodrigo.

Então, dia 25 de junho, a partir das 22h, Histórias e Rimas estará disponível no site do Festival In-Edit 2021 com acesso gratuito (com limite de visualizações, fique esperto).

Trailer Histórias e Rimas - O Filme Oficial - 2021

Histórias e Rimas

Nome Original: Histórias e Rimas
Direção: Rodrigo Gianetto
Elenco: Racionais MC's, Emicida, Negra Li, Projota, Thaíde, Karol Conká, Projota The Pharcyde, Dexter, Tássia Reis
Gênero: Documentário musical
Produtora: Rodrigo Gianetto
Distribuidora: Festival In-Edit Brasil
Ano de Lançamento: 2021
Tags

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar