Lovecraft Country – Terror, fantasia e ficção científica

Tudo mesclado em uma aventura pulp visceral e diferente de tudo o que já se viu

Antes de mais nada, é importante esclarecer que essa série Lovecraft Country (ou minissérie, não se sabe se terá continuação), não é uma adaptação das histórias de H.P. Lovecraft. A produção, na verdade, é baseada no livro ”Território Lovecraft”, de Matt Ruff, publicado aqui pela Editora Intrínseca, que se utiliza da enorme veia racista do clássico escritor para elaborar uma trama poderosa que usa o horror como entretenimento e denuncia, onde o tal “território” ou “país” lovecraftiano (portanto, racista), é o EUA durante o período de segregação nos anos 1950.

Contando com grandes nomes como showrunners, como J.J. Abrams, Jordan Peele e Misha Green (a principal responsável pela identidade singular da série), Lovecraft Country é uma produção definitivamente sem igual e que vai acertar em cheio consumidores de cultura pop (seja da literatura ou do audiovisual, seja de terror ou de fantasia, seja da ficção científica ou do noir) e que realiza aqui um tipo de “justiça histórica” para a comunidade negra, tudo embalado com magia, misticismo e discursos sociais, completamente em voga e relevante num mundo que necessitou de movimentos como o “black lives matter” para sacudir o planeta diante de tantas atrocidades, mesmo mais de 70 anos depois de um mundo que ainda dividia pessoas pretas das brancas ou, até, quase 100 anos após os terríveis eventos do massacre de Tulsa.

Com uma trilha sonora forte, que ainda traz depoimentos reais e históricos como parte das faixas e um alto valor de produção, com CGi acima da média, a série se posiciona como uma das mais importantes da década.

Lovecraft Country

Lovecraft Country

Com dez episódios de uma hora cada, Green e cia. se aproximam do livro original ao dividir cada momento como uma pequena antologia continuada, com capítulos quase fechados que abordam diferentes tipos de narrativas. No primeiro, temos uma estrutura “pé no chão”, ainda que absurdista em seu contexto, semelhante a ”Corra!”, com um trio de pessoas pretas passando apuros nas mãos de um xerife branco, para logo em seguida, no segundo episódio, conferirmos seitas e sociedades secretas, que desnudam o lado místico da obra.

O terceiro envolve uma casa mal assombrada, que faz bom proveito de um terrível recorte histórico do período envolvendo a morte de algumas pessoas por racismo, enquanto que o quarto capítulo (e um dos meus prediletos), é um aceno extremamente aventuresco e divertido para adoradores de aventura, como ”Indiana Jones e a Última Cruzada” e ”Goonies”.

O quinto é quase brilhante em seu tratamento, quando uma mulher negra ganha a “oportunidade” de ser uma mulher branca por algumas horas e é impressionante com os diretores trabalham isso, a maneira como vimos transformações grotescas em ”A Mosca” e ”O Lobisomem”. O sexto é uma viagem ao passado, durante a Guerra da Coreia, onde somos apresentados a uma famosa criatura do folclore asiático (fãs de ”Naruto” e ”YuYu Hakushô” não tardarão a reconhecê-la), misturado com horror gore hentai, à medida que o sétimo vai agradar em especial a fanbase de ”Doctor Who”.

Acesse aqui nossa seção de séries

De fato, o sexto e os sétimos episódios, por mais que sejam ricos em seus respectivos discursos e deslumbrantes em seus retratos de entretenimento, não tem função narrativa e esticam por demais uma história que já é longa o suficiente e quase perde seu público no processo. O oitavo episódio resgata a atenção para o que importa, com um terror que novamente vai buscar a fonte de Peele, com aquelas duas garotinhas apavorantes, que parecem muito terem sido extraídas de ”Nós”.

O nono é extremamente emocionante, com uma viagem ao passado e quando finalmente os personagens colocam os pingos nos is, para o desfecho inevitável no décimo episódio, que falha ao menos em oferecer respostas satisfatórias para soluções que parecem facilitar a vida de personagens com recursos de roteirismo barato, mas recompensa do outro lado, com sacrifícios em prol de virtudes maiores.

Lovecraft Country

O elenco

Jonathan Majors, que já havia brilhado no excelente ”Destacamento Blood”, faz aqui o melhor papel do elenco, com seu protagonista repleto de nuances, sabendo trabalhar raiva e tristeza, medo e receio, diversão e tesão, tudo em um papel complexo e marcante, que encontra equilíbrio à altura na apaixonante Jurnee Smollett (a Canário Negro no filme das ”Aves de Rapina”), uma figura carismática e envolvente, que cresce muito no avanço da história.

O roteiro, rico em seu texto, também proporciona holofotes devidos aos coadjuvantes, lhes dando oportunidade de mostrar a que vieram e, para tanto, Wunmi Mosaku entrega uma grande performance, algo que Aunjanue Ellis, Jada Harris, Jamie Neumann e Jamie Chung também alcançam. A estranha Abbey Lee Kershaw consegue transmitir toda a incógnita e perspicácia de sua “vilã”, repleta de imprevisibilidades ao longo do enredo.

Lovecraft Country é assim, singular, sanguinolenta e diferentona. Um entretenimento de primeira, que não perdoa em suas sequências, mexe com suas emoções e tem muito a dizer. Tudo isso enquanto diverte o público pelo caminho, sinuoso e repleto de surpresas inesperadas.

Lovecraft Country: Trailer Oficial | HBO

Lovecraft Country

Nome Original: Lovecraft Country
Elenco: Jonathan Majors, Jurnee Smollett, Courtney B. Vance
Gênero: Drama, Fantasia, Horror
Produtora: Bad Robot, Monkeypaw Productions, Warner Bros. Television
Disponível: HBO

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar