Star Wars: Episódio IX – A Ascensão Skywalker

Filme se acovarda diante da fanbase e entrega desculpas ao invés de uma história

Depois do redondinho O Despertar da Força e do ousado e inventivo Os Últimos Jedi, a Disney e a Lucasfilm cometeram o mesmo erro da HBO com GoT, ao se renderem ao fã mimado, que só quer o mais do mesmo, ao invés de seguir adiante com a narrativa proposta. Dessa maneira, o sempre competente J. J. Abrams teve aqui a ingrata tarefa de ignorar todas as boas ideias do longa anterior e criar novos elementos que não ornam com o que foi entregue até então. Ou seja, força a barra do começo ao fim, ainda que consiga sustentar um mínimo valor de entretenimento com A Ascensão Skywalker.

À parte do bom uso da computação gráfica, maquiagem, animatrônicos, figurino e cenários, A Ascensão Skywalker só se salva pelas partes técnicas e pela química de seu elenco apaixonado. Os personagens são repletos de potencial, mas vão se perdendo à medida que a trama avança com reviravoltas esdrúxulas ou saídas que ofendem a inteligência do público.

Tudo que envolve o retorno de Palpatine ou seu legado, não só parece não contar com a memória da franquia, como é incapaz de fazer sentido. Os superpoderes dos Jedi e Sith aqui presentes, apesar de espetaculosos à vista, não tem função na trama e ainda traem o que se conhece em nível de Força. Finn e todos os demais membros da Resistência não tem muito o que fazer, a não ser servirem como ferramentas de batalha. Lando e os fantasmas, assim como outras participações, usam e abusam do fanservice, o maior inimigo da cinessérie.

Star Wars: A Ascensão Skywalker

Star Wars: Episódio IX – A Ascensão Skywalker

O roteirista Chris Terrio, assim como Abrams, também teve pouco o que fazer. Sendo assim, teve que seguir as ordens de cima e desrespeitar o incrível trabalho realizado por Rian Johnson no Episódio VIII. Incluindo o fato de ter que dar a Rey um passado. Afinal, no universo de Star Wars, somente sangue azul pode empunhar um Sabre de Luz e fazer uso da Força.

Toda ideia dela ser uma zé ninguém e mostrar que qualquer um pode ser Jedi é jogada fora em nome de um legado forçado. E que nem sequer faz sentido e nem ao menos foi pincelado nos dois filmes anteriores. Assim, mostra um completo despreparo de argumentos por aqui. Ainda que as escolhas da protagonista entreguem bons momentos de altruísmo e heroísmo, muito ao redor da jovem catadora representa as grandes falhas desse desfecho. Do inacreditável beijo final, ao fato dela ter que emprestar um sobrenome (ainda que de maneira honrosa), em vez de se assumir pelo o que é.

Kylo Ren é o único personagem que sempre teve um arco definido desde o Episódio VII. Assim, conclui sua jornada de maneira satisfatória, ainda que a ela tenham sido dados louros demais (não importa as benfeitorias finais, ele ainda matou o próprio pai). Por outro lado, Poe Dameron, que estava prestes a se tornar qualquer coisa como Finn e cia., vira uma versão de última hora de Han Solo e, em mais uma escolha infeliz, a história transforma um latino em contrabandista.

Star Wars: A Ascensão Skywalker

Tem mais?

No mais, novos personagens são incluídos para servirem no ato final (e vender bonecos). Enquanto isso, outros, como Rose Tico, são ignorados terrivelmente (com uma participação no total de 1m16s, incluindo cenas sem falas), provando mais uma vez que a parte preconceituosa da fanbase de Star Wars prevaleceu sobre as decisões totais.

E indo e vindo com falsas mortes o tempo inteiro, Abrams se mostra desesperado em querer surpreender o espectador, sem material para isso. No final, a falha fatal e o desrespeito com o material se dá quando Luke se arrepende do que fez no filme anterior (coerente com seu personagem, para quem realmente conhece os longas da franquia) e dá um sabre a mais para a Rey enfrentar o seu… avô.

Cheio de furos de roteiro e elementos criados de última hora para cobrir problemas que não existiam, A Ascensão Skywalker se vale apenas do espetáculo visual e da paixão de seu elenco, mas encerra de maneira perdida uma das maiores obras da cultura pop mundial.

Star Wars: A Ascensão Skywalker

Nome Original: Star Wars: Episode IX - The Rise of Skywalker
Direção: J.J. Abrams
Elenco: Carrie Fisher, Mark Hamill, Adam Driver, Daisy Ridley, John Boyega, Oscar Isaac
Gênero: Ação, Aventura, Fantasia
Produtora: Lucasfilm
Distribuidora: Walt Disney
Ano de Lançamento: 2019
Tags

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar
Fechar