The Midnight Gospel – 1ª temporada

Animação discute vida, morte e existencialismo com metáforas visuais lisérgicas, em uma embalagem inigualável

O criador de “Hora da Aventura”, Pendleton Ward, sempre foi muito fã do podcast “Family Hour” do comediante Duncan Trussell e, então o convidou para participar desse projeto inusitado para a Netflix, que preserva o traço de rabisco infantil do artista, mas adapta alguns de seus papos para oito episódios de meia hora cada (exceto o último, que é maior) em The Midnight Gospel, uma animação para adultos (e não para qualquer um, por sinal), resultando em uma produção completamente sem igual.

Os episódios são uma mescla de conteúdos já gravados e outras partes pré-gravadas do podcast. De acordo com Ward, ele editava os programas de duas horas para vinte minutos, para que a equipe pudesse inserir piadas e novos diálogos, que logo após seriam gravados e incluídos no roteiro.

The Midnight Gospel

The Midnight Gospel

A vida, a morte e o existencialismo são os motes da narrativa. À medida que outros elementos gráficos são apresentados – retirados ou da cultura pop ou da literatura ou mesmo do mundo contemporâneo, a saber: um apocalipse zumbi, um purgatório cíclico, a indústria da carne, um rolê com gatos piratas, conversas com um praticante de meditação, um encontro com a morte etc.

Assim, o “evangelho da meia-noite” (ou o podcast de Trussell) lida de maneira solta, respeitosa e até despretensiosa com várias filosofias e doutrinas. Além disso, conta com convidados diferentes nos episódios, como médicos, escritores, filósofos, alguém que foi condenado à prisão e até a mãe de Trussell. Isso também resulta em figurações de personagens sempre muito carismáticos e improváveis, a exemplo de seu protagonista Clancy Gilroy, apresentador de um “espaçocast”, cujo nome do canal é o título da série (e que na série conta com apenas um escrito, aliás).

Dublado por Trussell, o protagonista usa avatares diferentes e um simulador de planetas com diversas versões. Contudo, esses lugares estão prestes a serem destruídos e o foco é entrevistar os seres que os habitam antes do fim (e a finitude, sempre ela, ainda é o grande e vistoso pano de fundo do enredo).

The Midnight Gospel

Vale a pena

Ward declarou que as entrevistas são um guia para si mesmo: “Duncan entrevista um monte de gente afável, que pratica a gentileza e ouvi-los me guia. E eu gosto de pensar nesses assuntos. Olhar nos olhos da morte me ajuda a viver minha vida. Os podcasts de Duncan são uma bonita forma de arte e eu queria desenhá-los. Criar um visual apimentado e suculento para que as pessoas vejam algo enquanto ouvem conversas tão bacanas”. Definitivamente, ele conseguiu expressar com uma animação única o exercício de conhecimento e empatia de um novo amigo que descobriu através de podcasts.

O resultado é marcante. Mesmo que recomendado para poucos e que em curtas dosagens, ao invés de uma maratonagem, The Midnight Gospel é uma obra que merece ser conferida por qualquer um que adora filosofia de boteco, de conversas cabeça ao subir da madrugada, estando sóbrio ou não.

The Midnight Gospel

Nome Original: The Midnight Gospel
Elenco: Vozes de Phil Hendrie, Duncan Trussell, Joey Diaz
Gênero: Animação, Aventura, Comédia
Produtora: Netflix
Disponível: Netflix

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar
Fechar