Objetos Cortantes, de Gillian Flynn

O terror das relações familiares tóxicas

Objetos Cortantes foi publicado em 2006 e é o primeiro livro de Gillian Flynn. Nele, Camille Preaker é uma jornalista que lida com suas próprias inseguranças e não está completamente satisfeita com seu trabalho.

Quando duas garotas desaparecem na sua cidade natal, seu chefe, Frank Curry pede que Camille retorne para fazer uma matéria sobre o assunto. Ela então volta para a cidade onde cresceu e onde, além de investigar, precisa lidar com seu passado, seus problemas familiares e sua relação com sua mãe, Adora.

Amy Adams como Camille na série inspirada no livro Objetos Cortantes
Amy Adams como Camille na série inspirada no livro

Personagens femininas em Objetos Cortantes

Uma das coisas mais marcantes de Objetos Cortantes são as personagens femininas, como acontece em Garota Exemplar, o livro mais famoso de Flynn. A protagonista de Objetos Cortantes é Camille, uma jornalista que se sustenta e vive sozinha. Ela não mantém qualquer contato com a sua família e nem com as pessoas da sua cidade atual. Basicamente, Camille tem medo de se abrir.

Camille precisa retomar sua relação com a mãe, Adora
Camille precisa retomar sua relação com a mãe, Adora

Além dela, acompanhamos Adora, a mãe de Camille que, embora se passe por uma dona de casa dos anos 50, também é manipuladora. Especialmente quando se trata do seu marido, Alan Crellin. A filha de Adora e Alan, Amma, é outra personagem feminina que tem bastante destaque na trama. Amma tem 13 anos e, a princípio, é a filhinha perfeita de Adora. Dentro de casa ela se veste como uma criança de cinco anos, cheia de vestidinhos bufantes e lacinhos. Por isso, ganha tudo o que quer dos pais.

O livro tem ainda mais personagens femininas que não aparecem tanto, mas que são importantes. Marian, a irmã mais nova de Camille que morreu ainda criança de uma doença misteriosa, mas que ainda ronda a mente de Camille; e as duas meninas desaparecidas: Ann Nash e Natalie Keene, que trazem Camille de volta à cidade natal.

Camille é uma personagem forte, mas que é repleta de inseguranças
Camille é uma personagem forte, mas que é repleta de inseguranças

Inseguranças

No entanto, embora Objetos Cortantes seja repleto de personagens femininas fortes, que fazem até um contraste com os personagens masculinos, que são apagados e sem qualquer atitude, todas essas personagens tem dois lados. E se um deles é forte, o outro é repleto de insegurança.

Camille parece ter total controle sobre a sua vida, mas ainda não conseguiu lidar com a morte de sua irmã. Nem com outros acontecimentos do passado. Ela é extremamente insegura e tem dificuldade em confiar nas pessoas.

Adora, por outro lado, é exatamente o oposto. Ela se apresenta como uma dona de casa bondosa e gentil, que trata Amma com todo o zelo possível. Mas Adora tem um outro lado cruel e manipulador que Camilla conheceu bem na sua infância e adolescência. Amma é como a mãe. Embora se comporte como uma bonequinha perfeita e mimada dentro de casa, fora de casa, ela é uma adolescente rebelde, promíscua, que usa drogas e bebe.

Eliza Scalen como Amma
Eliza Scalen como Amma

O fato de as personagens terem dois lados é o que faz de Objetos Cortantes um livro tão bem escrito e tão realista. Afinal, na vida real, todo mundo tem muito mais do que dois lados.

Relação mãe e filha

As relações no livro de Flynn também se dão majoritariamente entre mulheres. Quando Camille volta para casa, ela não vai só investigar o desaparecimento das duas meninas. Ela também vai reviver sua relação com Adora, que nunca foi boa ou sequer saudável.

Quando mais nova, Camille tinha frequentemente a sensação de que sua mãe preferia Marian do que ela. Por isso, a relação das duas funcionava de uma maneira muito estranha. Ao mesmo tempo que Camille desejava o amor e a atenção da mãe e fazia coisas para receber isso, ela também a repudiava.

Amma é uma pessoa dentro de casa e outra na rua
Amma é uma pessoa dentro de casa e outra na rua

Adora, por sua vez, nunca conseguiu se reconhecer em Camille, que é completamente diferente da mãe e sempre teve outros objetivos. Marian, a filha mais nova, é na concepção de Adora, muito mais parecida com a mãe, o que torna a proximidade entre as duas maior.

Por outro lado, a proximidade entre Marian e Adora não é necessariamente saudável, já que a mãe tende a sufocar a filha. Depois que Marian morre, a relação entre Camille e a mãe se torna cada vez pior, conforme Camille vai se tornando uma adolescente calada e envolvida nos seus próprios problemas, que fogem completamente do controle de Adora.

A mãe, então, passa a repetir o comportamento doentio que tinha com Marian, com a outra filha, Amma, que nasce depois da morte de Marian e é vista por Camille como uma “substituta” à irmã.

Amma e Camille, personagens de Objetos Cortantes
Amma e Camille
Ar sinistro

Apesar de ser repleto de relações familiares, Objetos Cortantes é, em primeiro lugar, um livro de suspense que retrata uma investigação. É importante ressaltar que essa premissa não fica apagada em torno de todo o resto, tudo se completa perfeitamente. Como o livro se passa em uma cidade pequena, as relações de Camille enquanto está na cidade, sempre tem, de alguma maneira, conexão com a investigação.

Quem procura uma leitura mais puxada para o suspense, não vai se decepcionar. Nem quem está atrás de uma leitura cruel, com aspectos violentos e cenas pesadas. Objetos Cortantes é um livro pesado, onde nenhum personagem é poupado da maldade. Os temas que ele aborda, sejam os desaparecimentos, sejam as complicadas relações de Camille, também não são fáceis de engolir.

A relação de Camille e Adora não é saudável  em Objetos Cortantes
A relação de Camille e Adora não é saudável

Uma das coisas mais interessantes é que o livro mantém um clima de mistério e um ar sinistro, que lembra um pouco os livros de Shirley Jackson (Nós Sempre Vivemos no Castelo e A Assombração da Casa da Colina), o que deixa o leitor com as emoções à flor da pele. Objetos Cortantes não fala de aspectos sobrenaturais. Tudo que acontece de ruim na trama provém de um ser humano, e isso é muito assustador.

Por isso a leitura é marcada por uma sensação de que algo ruim vai acontecer a qualquer minuto, e de fato, acontece. Enquanto lemos o livro, nos sentimos mais ou menos como Camille, presa em uma cidade para onde não gostaria de voltar, enfrentando seus demônios, de frente para um mal terrível e cercada por pessoas em quem ela não confia. Tudo em Objetos Cortantes é muito macabro e assustador, à sua própria maneira.

Adaptação

Objetos Cortantes virou uma série para a TV em 2018. A série, que tem o mesmo nome do livro, é bem fiel ao livro, quase como se as páginas tivessem sido filmadas uma a uma.

O livro Objetos Cortantes tem um ar sinistro e macabro
O livro tem um ar sinistro e macabro

No elenco estão Amy Adams, que interpreta Camille, Patricia Clarkson como Adora, Eliza Scanlen, perfeita no papel de Amma, Chris Messina como Richard Willis,  o detetive responsável por investigar os desaparecimentos e Sophia Lillis (de It – A Coisa), que interpreta Camille mais nova.

A série é extremamente bem produzida e consegue trazer para as telas o clima que o livro tem. Tudo é sinistro e macabro, mesmo que seja esteticamente belo. Na adaptação, fica muito clara a diferença de Amma dentro e fora de casa, já que o audiovisual pode usar de artifícios como figurinos e maquiagens para tal.

Camille, ainda adolescente com a irmã, Marian
Camille, ainda adolescente com a irmã, Marian

A segunda temporada da série está marcada para estrear em 2021.

Objetos Cortantes é um livro sinistro que, fazendo parte da grande tradição do terror e do suspense, usa aspectos do gênero para falar de assuntos reais e muito mais pesados.

Nome Original: Objetos Cortantes
Autor: Gillian Flynn
Editora: Intrínseca
Gênero: Supense
Ano: 2006
Número de Páginas: 256

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar
Fechar