Livros

Metro 2033, de Dmitry Glukhovsky

Horror claustrofóbico que atinge a psique humana!

“O Ano é 2033, a raça humana desapareceu, países inteiros destruídos, florestas devastadas, escassez de alimentos e água. Alguns milhares de sobreviventes conseguiram se refugiar nos metrôs de Moscou para escapar da radiação e hoje não há como saber se alguém no mundo havia sobrevivido. Décadas depois, o metrô criou seu próprio mundo, uma nova vida – as estações são agora cidades onde as ideologias se apoderam e os cartuchos de armas são a moeda. Enquanto isso uma nova forma de vida aterroriza o psicológico nos escuros túneis do metro.”

É nesse cenário pós-apocalíptico que Dmitry Glukhovsky traz o tema que enche o leitor de curiosidades e incertezas: a possibilidade do fim do mundo. Metrô 2033, que inspirou a criação de um dos games mais eletrizantes da atualidade, cria uma atmosfera caótica ao tentar mostrar como se comportaria um ser humano em um ambiente onde o que predomina é o instinto de sobrevivência.

Artyom, um jovem que mal consegue lembrar o que ou como é estar na superfície, vive em uma das estações mais setentrionais do metrô. VDNKh é um baluarte contra uma ameaça mutante que se arrasta pelos túneis – uma estação que é o lar de Artyom. Essa paz é quebrada quando Hunter, um dos caçadores da superfície, aparece e consegue enchergar algo em Artyom, uma simples tarefa foi designada para nosso protagonista o que desencadeia incríveis e assustadores provações para o jovem.

Hora ou outra o clima irá se tranformar em algo bem pesado, a sufocante passagem entre túneis de uma estação para outra pode parecer algo tranquilo de se pensar, mas os túneis não são mais como eram antigamente, uma nova e terrível entidade – como é dito no livro – parece determinado a levar a sanidade de qualquer um que se aventure por eles. Este é, sem sombra de dúvidas, um dos melhores livros de ficção pós-apocalíptico que eu já li, e também um dos melhores no quesito fantasia. Existe uma tarefa vital por trás da trama principal: A sobrevivência! O livro além de retratar os perigos escondidos nesse novo mundo, reúne com sabedoria os dogmas outrora perdidos pela sociedade civilizada, afinal a sociedade já não existe mais, não como conhecemos.

Aqui veremos pessoas que, talvez por impotência de uma salvação, acabaram repetindo o que já conhecemos da faceta humana de outrora, doutrinas radicais exercidas por extremistas raciais e até um vislumbre do que seria a antiga união soviética, aqui todos os habitantes devem escolher um lado ou morrer das formas mais assustadoras possíveis, pois uma estação sem aliança perde muito com recursos e defesas, fadadas a sua própria sorte de horrores nos túneis.

Em meio a isso tudo a tarefa de Artyom é levar uma mensagem através dos túneis escuros, a suntuosa cidade de Polis, localizada bem no centro do metrô, assim como uma cidade londrina, Polis recorre à defesa do conhecimento, muito dos livros encontrados aqui são oriundos dos caçadores, guerreiros corajosos que arriscam suas vidas na superfície, para Artyom a nova estação é totalmente a quem do que estava acostumado em VDNKh, uma cidade aberta e iluminada muito diferente da apertada e escura estação que conheceu a vida toda.
O livro retrata bem o convívio e o pensamento humano, a mesquinharia e a tentativa de se agarrar a qualquer humanidade nos habitantes do metrô, Artyom como uma pessoa que não conheceu outras histórias a não ser pelo seu tio,  este que cuida desde que Artyom perdeu sua mãe em uma aterrorizante invasão em uma das estações desabitadas.

Diferente do jogo, o clima descrito no livro é muito mais denso e horrorizante, deixando o leitor angustiado a todo momento com uma sensação de paranóia e mistério, você nunca sabe o que é uma alucinação (as vezes coletiva) ou se de fato existe uma entidade nos túneis, não confortável após entradas e saídas dos túneis, a intriga entre os militares e saqueadores conseguem fazer com que a ação seja um forte também no livro, em um universo que o cartucho é a moeda, é sempre bom ficar atento a tudo e todos.

Metro 2033 não é apenas uma viagem com muitos eventos loucos ao longo do caminho; que investigam a psique e explora os medos mais profundos da alma humana. Horrores são ambos psicológicos, bem como físicos, e em uma única caminhada ao longo de um túnel podem rasgar a mente sem precisar matar um viajante. Eu recomendaria o livro a quem gosta de fantasia, ficção científica e horror, mas tamém é para quem gosta de uma história muito bem escrita e imersiva com horrores incomuns e inexplicáveis ​​que espreitam em cada esquina. É uma fascinante e claustrofóbica exploração de um futuro terrível e como a natureza humana se adapta.

*Caso queira algo para escutar enquanto lê o livro, recomendo a trilha sonora do filme Inception (A Origem), a trilha consegue deixar bem mais interessante do que já é.

O livro não é mais encontrado na versão física (salvo algum sebo ou mercado livre), mas existem as versões ePub para e-readers ou versões PDF. Acompanha um mapa do metro assim com suas alianças e perigos descritos no livro.

Tags
Mostrar Mais

Felipe Erick

Co-fundador do site, conciliando as coisas entre caos e a ordem, fui ao limite de outra dimensão nos reinos do terror, porém voltei porque tenho que terminar de fazer o TCC, tenho tanta coisa pra dizer aqui... oi ?

Matérias Relacionadas

Close