Peça teatral: Sunset Boulevard, musical inspirado no filme

Em Sunset Boulevard, Joe Gillis (Julio Assad) é um jovem roteirista, que está sem emprego e com muitas dívidas. Um dia, enquanto foge de cobradores, ele acaba estacionando seu carro em uma mansão.

Chamado para dentro por Max (Daniel Boaventura), o mordomo, Joe acaba descobrindo que a mansão pertence a Norma Desmond (Marisa Orth), uma antiga atriz do cinema mudo, que hoje vive reclusa em casa, sonhando com a sua volta aos holofotes.

Norma então propõe que Joe a ajude a escrever um roteiro no qual ela vem trabalhando. Em troca ela vai pagá-lo e lhe oferecer casa e comida. Joe aceita e se vê cada vez mais preso na teia de Norma.

Gloria Swanson em cena do filme Crepúsculo os Deuses (Sunset Boulevard)
Gloria Swanson em cena do filme Crepúsculo os Deuses

A origem de Sunset Boulevard

Sunset Boulevard é originalmente um filme dirigido por Billy Wilder, lançado em 1950, que aqui no Brasil ficou com o título de Crepúsculo dos Deuses. Em 1993, Andrew Lloyd Webber (de O Fantasma da Ópera e Evita) transformou Crepúsculo dos Deuses em um musical, que estreou em Londres.

A partir daí Sunset Boulevard passou a ser encenado em diversos países, como Estados Unidos, Canadá, Alemanha, Austrália, Japão e agora chega a São Paulo.

Glenn Close como Norma Desmond em Sunset Boulevard
Glenn Close como Norma Desmond

O papel de Norma Desmond já foi interpretado por Glenn Close, e a peça foi indicada a 11 Tonys e ganhou sete, incluindo melhor musical. Há anos existem boatos de que o musical pode virar outro filme. Várias atrizes, como Liza Minnelli, Meryl Streep e Barbra Streisand já estiveram cotadas para o papel de Norma, mas atualmente esse projeto encontra-se em pré-produção com Glenn Close.

Dependências e interesses

A trama de Sunset Boulevard se foca em dois personagens. Norma, uma atriz em torno dos 50 anos esquecida pelo público e pelos estúdios, mas que deseja a sua antiga fama desesperadamente; e Joe, um roteirista jovem e ambicioso, que aceita qualquer coisa em troca de dinheiro.

Marisa Orth como Norma Desmond
Marisa Orth como Norma Desmond

Nenhum desses personagens é um modelo e nem pode se enquadrar na categoria de mocinho. Afinal,os dois tem defeitos bem sérios de caráter. Norma é carente por atenção, e vê em Joe não só uma oportunidade profissional, mas também uma nova chance de ser amada; e Joe vê em Norma uma maneira de viver bem, mesmo que a despreze e despreze o trabalho que faz para ela.

No entanto, a relação dos dois não se limita ao campo profissional e cada vez mais eles se vêem mais enredados um ao outro. Joe se vende em todos os sentidos da palavra, enquanto Norma finge que não percebe o interesse monetário do rapaz.

A indústria do cinema

O cinema não é o tema principal de Sunset Boulevard, mas ele é parte da motivação. Para começo de conversa, todos os personagens da peça estão, de alguma maneira, envolvidos com a indústria cinematográfica. Joe é roteirista, Norma é atriz, Betty (Lia Canineu), uma garota que Joe conhece quando pede emprego na Paramount, também deseja escrever, assim como os personagens secundários que circundam esse mundo.

Daniel Boaventura como Max
Daniel Boaventura como Max

Nesse aspecto, Sunset Boulevard pode dar ao espectador panoramas bem diferentes. Enquanto acompanhamos Norma, uma atriz lendária mas esquecida, também acompanhamos artistas iniciantes que lutam para conseguir um trabalho e pagar suas contas.

O musical também se passa um tempo depois do surgimento do cinema falado, assim como Cantando na Chuva, e isso é um ponto importante na trama. Norma era atriz de filme mudo, e acabou esquecida porque não soube fazer a transferência para o cinema falado. A peça ainda faz citações a diretores famosos, como Cecil B. DeMille, que é importante na história e aparece até como personagem, Billy Wilder, que dirigiu Crepúsculo dos Deuses e D. W. Griffith.

Joe e Norma se veem cada vez mais presos um no outro em Sunset Boulevard
Joe e Norma se veem cada vez mais presos um no outro

Obsessão

Naturalmente, esses elementos vão se juntando e se acumulando até um ponto de ebulição. As vontades de Joe, Norma e Max, que faz tudo por sua patroa, estão destinadas a entrarem em choque.

Norma se vê cada vez mais apaixonada e obcecada por Joe, que por sua vez, quanto mais entra em contato com Betty, a jovem aspirante a roteirista cheia de sonhos e ambições, começa a perceber que ele perdeu todos seus sonhos e que se colocou em uma situação terrível. Por outro lado, ele não consegue largar a boa vida que Norma o proporciona.

Sunset Boulevard é uma peça noir, no sentido mais clássico da palavra, que vai tomando um rumo cada vez mais sinistro e mais perturbador.

O palco de Sunset Boulevard se adapta a necessidade de seus personagens
O palco se adapta a necessidade de seus personagens
Aspectos técnicos

Sunset Boulevard é uma peça extremamente bem produzida, e tem aspectos que chamam mais atenção do público. O palco inteiro é rodeado por telas que em alguns momentos passam cenas dos filmes que supostamente seriam de Norma.

Uma outra parte do palco é desenhada para parecer a casa de Norma, com direito até a piscina. A maneira como a peça usa isso é interessantíssima. No meio do palco, uma plataforma giratória nos coloca dentro dos mais diversos ambientes. A partir dessa técnica, temos impressão até de acompanhar perseguições de carros.

Seguindo a lógica do filme noir e de Crepúsculo dos Deuses, o filme que deu origem ao musical, Sunset Boulevard é uma peça mais escura e mais sinistra, seja na sua iluminação, seja nos seus figurinos. Isso pode desanimar quem vai ao teatro em busca de algo alegre, mas faz muito sentido dentro do contexto da peça.

A peça fala sobre os bastidores do cinema
A peça fala sobre os bastidores do cinema

Os musicais no cinema: aqui!

Também existe uma clara diferenciação nas roupas e nos cenários entre a casa de Norma e os lugares que os amigos de Joe frequentam. Na casa de tudo tem tons de preto e cinza, enquanto os figurinos dos amigos de Joe são coloridos e divertidos, deixando claro como é distinta a vida de Joe com Norma e com pessoas da sua idade.

As músicas também seguem a mesma linha e são mais melancólicas. Embora tenham alguns momentos alegres, que dão um alívio na peça. Sunset Boulevard quase não tem coreografias e os atores passam boa parte do tempo cantando, quase como uma ópera.

Betty e Joe
Betty e Joe

O musical conta com um bom elenco. Marisa Orth está ótima na pele de Norma e Julio Assad é de fato uma revelação. Daniel Boaventura tem poucas cenas e canta poucas músicas. Ou seja, está um pouco desperdiçado na peça, ainda mais quando se pensa na extensa carreira no teatro musical que ele ostenta.

Sunset Boulevard é certamente um musical diferente, mas isso não faz da peça menos interessante. O espetáculo está em cartaz no Teatro Santander.

Sunset Boulevard

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar
Fechar