The Cave, um documentário sobre resistência

The Cave acompanha a rotina de um hospital na Síria, localizado no subterrâneo. Administrado pela doutora Amani, o hospital, apelidado de The Cave, recebe e trata das vítimas dos ataques à região. O filme é um dos indicados ao Oscar de Melhor documentário de 2020.

Quando começamos a acompanhar The Cave, o hospital que dá nome ao documentário, ele já está construído e em funcionamento, no entanto, fica claro que ainda faltam muitos detalhes no local. As condições obviamente não são ideais, afinal, o hospital funciona embaixo da terra e constantemente recebe muito mais pacientes do que suporta. Todos com ferimentos muito sérios. No entanto, a doutora Amani e o resto da equipe não poupam esforços para salvar e cuidar das pessoas que chegam ali.

A doutora Amani
A doutora Amani

Assistimos às cenas que mostram como falta comida, remédios, anestesias e até panelas no The Cave, mas isso não impede que eles realizem cirurgias e alimentem os feridos de guerra. E esse esforço já salvou uma quantidade enorme de vidas.

The Cave

O hospital se mantém de pé apoiado no amor e na dedicação de sua equipe, que mesmo com todas as adversidades e com a condição a qual eles estão expostos, não se faz de rogada um minuto e dá toda a energia que tem para fazer o hospital funcionar.

The Cave mostra as consequências da guerra na Síria da
The Cave mostra as consequências da guerra na Síria

O documentário naturalmente fala sobre a guerra e sobre as suas consequências, assim como mergulha no universo do hospital, mas o assunto principal do filme é a resistência. A existência de um hospital subterrâneo, no meio de uma zona de guerra, gerido por uma mulher muçulmana é por si só um enorme ato de resistência, mas Amani vai ainda mais longe.

Amani e a resistência

A pediatra se investe na vida das pessoas que ela salva, consola as crianças e tranquiliza os pais, mesmo que ela esteja gritando por dentro. Ela atura comentários machistas sobre sua competência e se mantém focada no trabalho. Até mesmo se sente culpada por ter o que comer, quando milhões de pessoas na região estão morrendo de fome. Fica claro que ela dedica a sua vida àquele hospital, tanto que ela e o resto da equipe vivem ali e ficam meses sem sequer se comunicarem com suas famílias.

A própria Amani diz que o The Cave é uma maneira que ela tem de canalizar a raiva que ela sente do governo e da guerra de maneira positiva, e é impressionante assistir enquanto essas pessoas dão as suas vidas para salvarem a vida de outras, quando o governo não parece tão disposto a fazer o mesmo.

The Cave é o apelido dado a um hospital subterrâneo
The Cave é o apelido dado a um hospital subterrâneo

Aspectos técnicos de The Cave

Este é um filme que fala sobre guerra, mas não é um filme de guerra. É principalmente um filme sobre dedicação e resistência. Mas naturalmente que a guerra é um ponto importante do documentário.

As imagens que acompanhamos não são fáceis de se ver, não assistimos explosões ou lutas diretas, mas vemos os resultados da guerra. Ou seja, pessoas machucadas, sangrando, assustadas, crianças chorando, desnutridas, órfãs, perdidas. The Cave mostra com claridade a parte que é mais afetada pela guerra e que também é a mais fraca: civis, mulheres e crianças.

The Cave é um filme cru, com cenas muito fortes, que podem perturbar até quem não tem o estômago tão fraco, mas é por isso mesmo que ele é muito necessário. É fácil observar a guerra estando fora dela, e também é fácil observar como ela afeta as pessoas que foram treinadas para tal (que já saem perturbadas de maneira irrecuperável), mas é terrível ver a guerra do ponto de vista da criança que estava no meio de um bombardeio, ou do adolescente que não consegue respirar por causa de um ataque químico.

Amani e o resto da equipe abriram mão de suas vidas pessoais para cuidarem dos feridos
Amani e o resto da equipe abriram mão de suas vidas pessoais para cuidarem dos feridos

Um documentário diferente

The Cave está aí para mostrar que a guerra não faz distinções, ela é terrível para todo mundo. O documentário é bem diferente do que seria um doc clássico. As pessoas não se sentam e dão entrevistas para a equipe, elas falam e dão suas opiniões, mas tudo é corrido e rápido e nem poderia ser diferente na situação em que eles se encontram. Essa maneira de retratar também coloca o telespectador dentro daquela situação, junto com a equipe do hospital. The Cave acompanha o dia a dia do hospital, a correria, os bombardeios, as armas químicas e tudo de terrível que isso pode trazer.

Ele também retrata uma série de pessoas incríveis, que abriram mão de suas vidas pessoais, das quais sabemos muito pouco, para cuidar e salvar a vida de outras pessoas. O filme traz outros questionamentos à tona, como o machismo e o fato das mulheres na Síria serem obrigadas a obedecer seus maridos e muitas vezes, proibidas de trabalhar; e a religião, que na concepção de Amani, falha em muitos aspectos com os cidadãos.

Amani tratando de uma criança
Amani tratando de uma criança

Dessa forma, The Cave é um soco no estômago e não poupa o telespectador em momento nenhum e nem deveria, afinal, todo mundo precisa saber quais são as consequências de algo tão terrível quanto a guerra. O filme estreou ontem, dia 03 de fevereiro, no canal National Geographic.

The Cave

Nome Original: The Cave
Direção: Feras Fayyad
Elenco: Amani Ballour, Salim Namour
Gênero: Documentário
Produtora: Danish Documentary Production, National Geographic
Distribuidora: National Geographic
Ano de Lançamento: 2019
Tags

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar
Fechar