12 séries exclusivas da Amazon Prime

...para quem está chegando da Netflix

Já dá pra dizer que o catálogo da Amazon Prime é melhor do que da Netflix. Além de acordos com a Disney e diversos filmes fodas (oi, Knives Out!) que só estão disponíveis por lá, o serviço de streaming da gigante rede varejista provavelmente pegou o troco de pinga do careca malvado Jeff Bezos e usou para fazer também suas produções originais.

E, com a força da Amazon Studios por trás, os originais da Prime conseguem ser, no mínimo, tão bons quanto os da Netflix, porém sem toda a divulgação que a locadora vermelha faz, sabe-se lá por quê – talvez porque a Netflix têm uma grande divulgação boca-a-boca, por ser bem mais popular.

Por isso, como tem uma galera que está assinando a Prime agora, seja migrando da Netflix, seja adicionando mais um boleto no orçamento, montei um pequeno guia com algumas séries exclusivas da Amazon Prime que valem muito o seu tempo de isolamento.

12 séries exclusivas da Amazon Prime

Sneaky Pete

Para quem é fã de “La Casa de Papel.

Sneaky Pete

Estrelando Giovanni Ribisi e com produção de Bryan Cranston, esta é uma heist story das boas, daquelas que os problemas vão crescendo e os personagens vão se afundando mais e mais, sempre tendo que criar truques maiores pra se safar.

A primeira temporada é espetacular, mas a segunda é fraquíssima e a terceira mediana. Tal qual a série espanhola de roubo a banco da Netflix, que começa muito bem e fica um lixo dali pra frente, ela entra na lista porque vale a pena assistir a primeira temporada e fingir que nada aconteceu depois disso.

Upload

Para quem é fã de Space Force.

Upload

Na minha humilde opinião, “The Office” é a série de comédia mais engraçada de todos os tempos. Não é a melhor (oi, Community!), mas é a mais engraçada.

O criador dela, Greg Daniels, produziu direto para o streaming duas outras séries de comédia que tiveram só uma temporada até agora, que são engraçadinhas, mas meio decepcionantes, dadas as expectativas.

As séries são: Space Force na Netflix e Upload na Prime, e por isso que elas são comparáveis. (eu ainda gostei mais de Space Force).

Tales from the loop

Para quem é fã de Dark.

Tales from the Loop

É uma época maravilhosa para os fãs de ficção científica. A série alemã “Dark” conquistou nossos coraçõezinhos e nos obrigou a desenhar árvores genealógicas em formatos circulares, que não sabíamos que era possível. Encerrando muito bem sua história na terceira temporada, ela deixaria os fãs órfãos, se não existisse esta lindeza da Amazon Prime aqui.

Inspirada em um livro de arte sueco (toma essa!), a série é episódica, mas nem tanto. Tal qual Dark, retrata a história de uma série de famílias em uma cidadezinha. Ela é menos confusa que Dark, menos sombria e muito mais poética. Com 83% no Rotten Tomatoes, vale a pena ficar embasbacado com a beleza da fotografia e sutilezas do roteiro.

Twilight Zone

Para quem é fã de “Black Mirror”.

The Twilight Zone

Por falar em ficção científica, tem toda uma geração que vai assistir Twilight Zone na Prime e comentar “Porra, isso é muito Black Mirror”. A verdade, meus jovens, é que Black Mirror é muito Twilight Zone.

A série Twilight Zone original surgiu lá nos anos 50/60, estrelada por Rod Serling. Cada episódio com uma história fechada, que apresenta uma realidade distópica (ou não) e termina com um twist. Assim como é com Black Mirror. E assim como é com essa nova versão, produzida e apresentada pelo Jordan Peele. Ambas tem episódios bons, outros mais ou menos.

Hunters

Para quem é fã de Narcos.

Amazon Prime Video divulga novo trailer violento de Hunters; Assista

Tanto Narcos quanto Hunters são violentas séries de caçada de criminosos (traficantes e nazistas, respectivamente) que se passam no final dos anos 1970.

Hunters parece mais estereotipada e até mais cartunesca, logo, Narcos parece ter um pézinho mais fincado na realidade. Mas para quem estiver procurando um equivalente na Prime, é uma boa comparação.

Modern Love

Para quem é fã de “Love”.

Modern Love

Como um fã assíduo do Judd Apatow, adorei Love, da Netflix. Mesmo esperando sinceramente que a série fosse mais pesada na parte da comédia, o fato dela ser um romancezinho adorável não fez eu gostar menos dela. Na verdade, dado o título da série, trouxa fui eu de não esperar isso.

Com Modern Love, da Amazon Prime, eu já esperava romancezinhos fofos, mas ainda assim fui surpreendido sobre quão fofos eles eram. Cada episódio é uma história de amor única inspirada em um artigo da coluna de mesmo nome do jornal The New York Times. Eu gostei tanto de Modern Love que depois de assisti-la até fui buscar as histórias reais que inspiraram a série.

Forever

Para quem é fã de “The Good Place”.

Forever

Forever é uma comédia fofa que se passa no pós-morte. Ela não chega nem aos pés de toda a filosofia e relações complexas entre personagens de The Good Place, mas tem 94% no Rotten Tomatoes e é estrelada pela Maya Rudolph, que coincidentemente, também participa de The Good Place.

A série foi, infelizmente, cancelada depois de uma temporada, mas até que teve um final bem decente. São só oito episódios e o primeiro episódio é fantástico, vale a pena.

Good Omens

Para quem é fã de “Dirk Gently’s Holistic Detective Agency”.

Good Omens

Ingleses são, certamente, os melhores escritores. Meus autores favoritos são respectivamente: Douglas Adams e Terry Pratchett.

Douglas Adams, além do Guia do Mochileiro das Galáxias, escreveu Dirk Gently, que virou uma série bacaninha da Netflix.

Terry Pratchett, além do Discworld, escreveu Good Omens, em parceria com Neil Gaiman (outro escritor inglês foda), que virou uma série bacaninha da Prime.

Little Fires Everywhere

Para quem é fã de “Bloodline”.

Little Fires Everywhere

A primeira temporada de Bloodline é tão boa que eu desisti da série na metade da segunda e fingi que ela terminava ali.

Por isso eu até torço pra não ter uma segunda temporada de Little Fires Everywhere, de tão satisfeito que eu fiquei com a série. Os seus oito episódios passaram voando por mim, me enchendo de porrada a cada cena. Estrelando Reese Witherspoon e Kerry Washington, a série é o tipo de soco no estômago que a gente precisa tomar de tempos em tempos.

The Boys

Para quem é fã de “Demolidor”, “Justiceiro”, “Jessica Jones”, essas séries de herói.

The Boys no Amazon Prime

The Boys, com uma única temporada, já virou a melhor série de quadrinhos já feita. Baseada nas HQs de Garth Ennis (que também escreveu Preacher, a segunda melhor série de quadrinhos já feita), ela é violenta, ofensiva, incorreta e fantástica.

Obrigatória para todo nerd fã de cultura pop, seus personagens certamente vão ser referenciados e discutidos em painéis de convenções nerds e programas geek. É cedo para afirmar, mas ela tem tudo para se colocar como um divisor de águas nas histórias de herói.

The Marvelous Mrs. Maisel

Para quem é fã de “O Método Kominsky”.

Prime Video: The Marvelous Mrs. Maisel - Season 3

Foi preciso montar essa lista para eu perceber que a Netflix erra feio em suas comédias. No caso dos filmes, ela apela muito pro péssimo pastelão do Adam Sandler ou para o besteirol desregulado (nada do besteirol cuidadosamente planejado dos irmãos Zucker). No caso de séries, ou eles caem em sitcoms bobocas; tentam reviver comédias de sucesso (oi, Arrested Development!); ou apostam em desenhos animados adultos (aí eles são bons com uma altíssima taxa de acerto, vide Big Mouth, F is for Family, Tuca & Bertie, Paradise Police…).

As melhores séries de comédia da Netflix são O Método Kominsky, The Politician, que é mais política (ah vá) ou Sex Education, que acertou em cheio na combinação adolescentes no colégio + sexo + comédia.

Mas a locadora vermelha não tem séries de comédia tão boas quanto a Prime, que tá indo muito bem com Transparent, Fleabag e, minha favorita, The Marvelous Mrs. Maisel.

Com Rachel Brosnahan no melhor papel da carreira, interpretando uma mãe de família que vira comediante stand-up no final dos anos 1950, a série já é uma delícia só pela representação da época: as roupas, as músicas, o clima pós-guerra e a cultura vintage saltam aos olhos. Criada por Amy Sherman-Palladino, que claramente aprendeu a escrever diálogos maravilhosamente bem com Gilmore Girls, a série vêm acumulando prêmios e está com a quarta temporada garantida.

Undone

Para quem é fã de “Bojack Horseman”.

Undone no Amazon Prime

O novato Raphael Bob-Waksberg criou o nosso cavalo depressivo favorito, consolidando a Netflix na área dos desenhos animados adultos (é só ver a lista acima para perceber como ela se deu bem no gênero). A Prime, que não é besta, aproveitou e chamou a mesma pessoa para trabalhar numa série. O resultado é soberbo: Undone tem 98% no Rotten Tomatoes e uma crítica cinco estrelas deste que vos escreve.

A Netflix cancelou Bojack Horseman na sexta temporada (o final é maravilhoso e fecha a história, podem ir assistir tranqüilos), então só sobra pra gente Undone, cuja segunda temporada estava prevista para o final deste ano, mas depois que um chinês comeu um morcego a gente não sabe de mais nada.

Tags

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar